Risco e Oriente



Há umas semanas falava nesta coluna de Vicente Risco e do seu orientalismo, que conectava com o seu celtismo e com um fundo sentimento espiritual, que sempre fez parte da sua antropologia e da visão da vida, já como o ultracatólico dos últimos tempos, ou como o heterodoxo teósofo da sua mocidade. Risco reconhecia na Índia uma espiritualidade necessária, que se fora apagando em Ocidente, como vira sobre tudo na sua viagem a Alemanha, e que cumpria reviver. Estava convencido de que para irmos mais longe, aos humanos cumpre-nos a arte e a espiritualidade; e para isto oriente era para ele o marco onde aprender indo às raízes, e avançar.

Nisto coincido com Felipe Senén, quem –como dizia nesse artigo- também tem estudado esta dimensão orientalista de Risco, que estaria conectada com o priscilianismo e com uma busca da dimensão espiritual, na tradição do panteísmo celta e a tradição cristã. “Orientarse é buscar o camiño, o Oriente, -diz Senén no seu artigo “Orientalismo, celtismo, obsesión de Vicente Risco”- tanto no senso xeográfico como tamén no histórico cultural. Pola contra, occidentalizarse é seguir a moda de occidente, tendencia hoxe, cos seus vicios e virtudes, a pé de cada día”. “Oriente é para el o marco onde aprender e avanzar –diz também-. O celtismo non é máis que un permanente orientalismo chegado e alimentado nos confíns europeos”.

Sem esquecermos o que nos deram em Ocidente a filosofia, a ciências e técnica, a democracia e os direitos humanos, cumpre-nos seguir a mirar o Oriente; onde nasce o sol, onde está o germe de grandes culturas e religiões, desde as da Índia e China, até os monoteísmos, sobretudo o cristianismo. A sua sabedoria perene, que busca profundar na Realidade, e presente em Oriente e Ocidente segue sendo muito valiosa, pois sem alimentar a sua dimensão espiritual, o ser humano degrada-se, esmorece e apaga-se. Aldous Huxley tem falado disto num dos seus livros mais importantes, ainda que menos conhecidos dos milheiros e milheiros de leitores de Um mundo feliz; refiro-me a A filosofia perene, onde recolhe essa sabedoria em místicos de oriente e ocidente, de ontem e de hoje.

[Este artigo foi publicado originariamente no Nós Diario]

Victorino Pérez Prieto
Latest posts by Victorino Pérez Prieto (see all)

PUBLICIDADE