“A língua o primeiro”



otero-pedrayoO título da coluna desta semana vai entre vírgulas porque, ainda que seja uma afirmação reiteradamente sustida pelos galeguistas, é aqui uma frase de Ramón Otero Pedrayo num dos seus ensaios: Morte e Resurrección (Ourense 1932); onde fala do galego como um povo em caminho desde a sua origem céltica, na que “callou o principio da nebulosa maternal de Galiza”. Um caminho no qual “a Galiza xoga a morrer e a viver”, e no que “o galeguismo quer decir a integridade do ser e da alma galega”; salientavelmente na língua galega. Galeguismo quer dizer reconhecimento dos valores galegos, reconhecimento de Galiza como povo de seu, com a sua identidade própria.

Nesses valores, para Otero a língua é o primeiro. O seu abandono é um “estado de suicidio, de renunciamento, de parva imitanza”; mas a ele, infelizmente, “figuran aspirar moitos que se gaban de galegos e de bos galegos”. Um parágrafo cara ao remate do ensaio resulta definitório da conceção galeguista-nacionalista de Don Ramón (sublinhado seu):

“A língua o primeiro. A língua, forma psicolóxica da raza, tem de ser a primeira obligación de todos. Pois co uso e cultivo cotidián chegaráse axiña ao punto de unanimidade mínimo para que a galeguidade seña a fórmula completa das arelas de todos os galegos. Ao caír a língua cai tamén a vida galega… Podemos asegurar ser mellor unha Galiza probe falando galego que unha Galiza rica usando outra língua… Ainda que a realidade nos enseña que para ser ricos e fortes, non hai outro camiño que o de ser cada dia máis xurdiamente galegos, dando ao concepto de galeguidade as notas da humanidade superior que lle son propias por naturaleza”.

Podemos asegurar ser mellor unha Galiza probe falando galego que unha Galiza rica usando outra língua

E ainda engade umas palavras particularmente caras: “Para o noso galeguismo a historia é sempre vital e moza, e por selo debe rectificar o feito doroso do arredamento de Portugal. Os mellores espritos portugueses e galegos son cidadáns da integridade da Galiza… A língua debe voltar a ser a mesma para fortalecemento do seu ser trascendental… O grande optimismo da galeguidade abrangue as esencias criadoras de Portugal”.

[Este artigo foi publicado originariamente no Nós Diario]

Victorino Pérez Prieto
Latest posts by Victorino Pérez Prieto (see all)

PUBLICIDADE