A saúde nom é o primeiro



ngz198-opiniom-miguel-diego-max-web-725x1024A prisom em que me encontro nom está saturada por umha avalancha de ingressos voluntários. Aqui nom há covid (vivemos numha bolha estritamente isolada do exterior) e as necessidades materiais básicas estám cobertas (três comidas quentes, cama, teito… e até tv, biblioteca e ginásio), mas, por algum motivo, a gente continua preferindo estar em liberdade, mesmo sob o risco de enfermar e até morrer.

Talvez seja por isso que me sublevo ante o simplismo e a arrogáncia com que políticos, “tuiteiros” e  tertulianos sentenciam que “a saúde é o primeiro” para desarmar qualquer crítica ao corte de liberdades imposto polos governos no contexto desta pandemia. Ante um conflito de valores e de interesses que objetivamente parece profundo e complexo, a sociedade dos 280 caracteres refugia-se no estigma (terraplanistas!) e no insulto (ultradireitistas!). A necessidade de traduzir em ódio cara a alguém tanta insegurança e tanta frustraçom, prima sobre a dificuldade de pensar seriamente problemas éticos e jurídicos de calado.

– “Qual é o preço de nom enfermar?”

– “Qualquer preço!”- respondemos cheios de razom, e implicitamente ofendidos ante quem pretenda argumentar que pode ter sido pôr em risco a saúde. Mas nom sempre foi assim: houvo um tempo, antes de que o pánico se apoderasse de nós, em que a cidadania “flirtava” com a doença (fumava, comia donuts, queimava gasolina) sem que as tertúlias do prime-time falassem em “negacionistas” e “irresponsáveis”. E, na era dos nossos avós, milhons de seres humanos preferírom morrer a viver baixo a ditadura.

Difundir desconfiança e oferecer segurança foi, classicamente, a estratégia do fascismo. Somemos-lhe a simplificaçom e a ridicularizaçom do oponente, e a primazia dos resultados práticos sobre as consideraçons éticas. Mussolini definia o seu movimento como “o pragmatismo absoluto aplicado à política”. Se do que se trata é de salvar vidas, o único que importa é salvar vidas: eis umha máxima que assinaria qualquer tirano.

Se do que se trata é de salvar vidas, o único que importa é salvar vidas: eis umha máxima que assinaria qualquer tirano

Nom caiamos na armadilha de desprestigiar e odiar toda contestaçom ao maior corte de liberdades que tem sofrido a nossa geraçom. Há razons de peso para questionar que a polícia deva perseguir os namorados que se citam na noite, mas se nom deixamos que estas se formulem em termos éticos e políticos, acabarám nos braços da realidade conspiracionista. Em vez de operaçons policiais ao vivo dissolvendo festas privadas, a televisom dum país democrático deveria emitir debates em que filósofos, historiadores ou juristas falassem seriamente sobre a origem do totalitarismo. E explicassem que a vida humana se caracteriza mais polo seu conteúdo do que polo seu continente.

A saúde nom é o primeiro, mas nom porque exista outro bem que deva primar sobre ela. Nem a economia, nem a segurança, nem a liberdade som tampouco valores absolutos. A vida digna é um equilíbrio precário de necessidades fundamentais, mantido por princípios opostos em tensom permanente. Quando um ameaça com submeter o resto, o responsável é respeitar e defender os seus contra-pesos.

[Este artigo foi publicado originariamente no Novas da Galiza]

Miguel Garcia

Miguel Garcia

Miguel Garcia (Compostela, 1979). Preso independentista galego desde junho de 2019. É licenciado em Filosofia e desenhador gráfico. Trabalhou como assessor em segurança digital na empresa Bit-nos. Ativista desde os 16 anos, participou de diversos projetos sociais e em defesa da língua, como AMI (Assembleia da Mocidade Independentista), o periódico Novas da Galiza, os centros sociais ourensaos A Esmorga e Sem Um Cam e a comunidade rural A Tornajeira, de Vila Marim.
Miguel Garcia

Latest posts by Miguel Garcia (see all)


PUBLICIDADE

  • Manuel Sánchez

    A saúde é o primeiro. Se alguém quer morrer ou tem muita saúde, então não será. E se, além disso, apresenta-se como “preso independentista”, então já se entende melhor o que escreve.

  • ernestovazquezsouza

    A actualidade é o primeiro.

    Agora toca saúde, antes tocou a Guerra do Afeganistão, o terrorismo jihadista, e amanhã quem sabe qual será a urgência… com que nos ceguem a vista dos olhos…