Partilhar

A menina que entrou na história

O escritor Alex Andrade e o ilustrador Beto Caldeira, levam o pequeno (e também o grande) leitor para a uma viagem divertida e metaliterária, na obra “A menina que entrou na história

O universo das palavras e dos livros é o cenário para esse novo livro, o primeiro da editora Quase Oito destinado ao leitor em formação, a partir dos cinco anos, que tem a menina Clara como a protagonista e que “pega na mão” do leitor e o leva a um mergulho nos clássicos da história, da literatura e da mitologia.

Vão junto com Clara, sua melhor amiga, Valentina, super conectada, sempre com o celular na mão, e Rafa, apaixonado por dinossauros. As três crianças investigam o desaparecimento das bibliotecas públicas. E tem uma surpresa pras crianças no final! 

Sobre os autores

Alex Andrade é escritor brasileiro, radicado no Rio de Janeiro, autor de 13 livros, entre obras infantis e adultas. Já foi entrevistado pelo Portal Galego da Língua, na série “Sociedade brasileira de escritoras e escritores vivos

Alex Andrade

Os livros para as infâncias são:

“”A menina que entrou na história” (editora Quase Oito, 2022)

“O Gigante” (editora Quase Oito, 2021)

“A menina e a sapatilha/O menino e a chuteira” (editora Quase Oito, 2019)

“A história do menino” (editora Penalux, 2017)

“A galinha malcriada” (editora Parafernália, 2013)

“O pequeno Hamlet” (editora Multifoco, 2010)

Depois de publicar o romance “Para os que ficam” (editora Confraria do Vento,  2022), que obteve bastante sucesso de crítica e uma repercussão excelente,  o autor retorna ao universo da literatura infantojuvenil,  dessa vez com o excelente livro “A menina que entrou na história”

Beto Caldeira é designer (Graphic/UX/UI) com trabalhos nas áreas de publicidade e cultura, como capas de livros e discos, vídeos, ilustrações, sempre com muita criatividade e leveza.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”