Sobre a palavra “Criança”



Séchu Sende

Séchu Sende

A nossa língua é enxebre e internacional. Com ela construímos cultura tradicional e tecnologia de vanguarda.

Chegamos a Ferramulim, aldeia do Courel, e umha vizinha duns 80 anos recebe-nos exclamando “Quantas crianças!” (sic)
Se buscas no dicionário da RAG, a palavra “criança” nom aparece com essa acepçom. Seguramente por raçons políticas, o académico da RAG ou do ILGA responsável do dicionário considerou e considera “criança” como “lusismo” inapropriado.
A estratégia isolacionista é clara: distanciar a variedade galega do tronco galego-português. Consequência lógica: espanholizar-nos.
A palavra “criança” aparece no melhor dicionário elaborado na Galiza, o Estraviz: “Ser humano que se começa a criar. Meninho ou meninha: gosto muito das crianças”
Desde que a Semente -e outros agentes sociais e individuais- socializou dia a dia a palavra “criança”, essa palavra reintegrou-se com força no galego do século XXI, entre a gente que fala galego nas cidades. É possível que muita gente pense que é um invento de reintegracionistas, que andam a importar termos inexistentes na Galiza, etc.
Desde que a Semente -e outros agentes sociais e individuais- socializou dia a dia a palavra “criança”, essa palavra reintegrou-se com força no galego do século XXI, entre a gente que fala galego nas cidades. É possível que muita gente pense que é um invento de reintegracionistas, que andam a importar termos inexistentes na Galiza, etc.
crianca-estravizMas nom: “criança”, como muitas e muitas outras, é umha palavra galego-portuguesa. A língua dessa vizinha do Courel, das nossas avoas, das nossas tataravoas, -mais alá dos castelanismos próprios da nossa situaçom de território em processo de substituiçom linguística- é galego-portuguesa.
E lembremos que a principal via de castelanizaçom foi e é dependermos dum sistema escolar que introduce na nossa língua letras e normas doutro sistema linguístico, o do espanhol, o do Estado que nos espanholiza linguística, social, identitária e politicamente.
O reintegracionismo também é enxebre, genuino, tradicional e popular. Porque o reintegracionismo vai mais alá de reivindicar letras. Devemos reintegrar a nossa língua nom só no presente e no futuro, ligando-a com as últimas tendências ou à tecnologia de vanguarda. Também devemos saber que a língua dos contos à lareira e à luz do candil, ou o Cancioneiro Tradicional que cantarom as nossas avoas e avós é galego-portuguêsa, ainda que estejam transcritos -por razons históricas e políticas- em galego-castelám.
O reintegracionismo nom só nos vincula com qualquer das últimas tecnologias graças aos estados onde é normal fazer apps, filmes, revistas, guias de uso, tutoriais de youtube ou material escolar na nossa língua. E que nós aproveitamos.
O reintegracionismo também é um movimento tradicional, enxebre e de raíz e vincula-nos com a língua das nossas devanceiras: o galego-galego nom é galego-castelám com Ñ. O Ñ é um símbolo desgaleguizador. O galego-galego é galego-português. E viceversa: o galego-português é galego-galego.
O reintegracionismo também é um movimento tradicional, enxebre e de raíz e vincula-nos com a língua das nossas devanceiras: o galego-galego nom é galego-castelám com Ñ. O Ñ é um símbolo desgaleguizador. O galego-galego é galego-português. E viceversa: o galego-português é galego-galego.
O Ñ e o sistema escolar espanhol ajudarom a desgaleguizar aquel galego que falavam e nom escreviam as geraçons de labregas e marinheiras que mantiverom durante séculos a nossa língua.
O reintegracionismo é pois também um movimento conservador dos nossos traços identitários originais, “criança”, “parafuso”, “carro”, ao lado de ser umha proposta inovadora para modernizar e atualizar o nosso presente, “surto”, “geolocalizaçom”, “leitor QR”
Que a escola leve castelanizando a nossa língua tantos anos, especialmente na ortografia, nom deve fazer-nos pensar que a palavra “criança” nom é nossa. Ou o NH.
O galego com NH é a nossa melhor ferramenta para ganhar falantes. No século XXI já nom é só umha teoria. É umha prática diária a funcionar já em todas as idades, como está a demostrar a Escola Semente, essa fonte fresca de crianças galego-falantes.
O mais importante, sejas ou nom reintegrata, fales ou nom galego habitualmente: fala galego às crianças.
E agora eu, nuns minutos, sairei à porta e berrarei: Crianças, a merendare!
Séchu Sende
Latest posts by Séchu Sende (see all)

PUBLICIDADE