LIVROS QUE ABREM GRADES

Ernestos Guerra da Cal

Resenha a: JOEL R. GÔMEZ, Ernesto Guerra da Cal, do exílio a galego universal, através, 2015



Se o escritor e estudoso que foi Guerra Da Cal nom som como para a Galiza poder prescindir deles olimpicamente, o homem Guerra Da Cal, a personagem Guerra Da Cal, nenhuma cultura digna a teria deixado perder-se graciosamente. João Guisan Seixas

 

O neno que em Quiroga aprende de Maria “A Garabulha” as canções populares da Virgem da Barca.

O menino fascinado pola romaria da Franqueira.

O que canta folclore galego para a Music Apreciation Society, como antes o figera para os ouvidos maravilhados de Federico Garcia Lorca.

O rapaz estrangeiro do Instituto San Isidro de Madrid, que peleja com o Juan e Gonzalo de Borbón e promove uma “greve fotográfica” contra eles.

O estudante preso pelas greves contra Primo de Rivera de 1928, 1929 e 1931.

O que nas férias de 1930, desobedecendo o Real Decreto de 1923, iça a bandeira galega no Círculo de las Artes de Lugo.

O moço detido em 1931 junto com Serafin Ferro por enfrentarem-se às “juventudes dereitistas”.

O beatnik atlântico que em 1932 percorre, on the road, a costa galega.

O universitário que frequenta todos os ambientes gayfriendly de Madrid mas que entra em cólera quando lhe insinuam relações homossexuais.

O dicionário vivente de Lorca.

O invitado das festas da Casa de las flores de Neruda.

O combatente das Milícias Populares Galegas que conhece Orwell e Hemingway, mas também Orlov.

O agente do SIM.

O jovem exilado nos EUA que ganha o pão de operário na Exposição Universal de Nova Iorque.

O namorado comedor de gelados que Castelao e Virginia repreendem com veemência.

O chamado a Hollywood por Buñuel e Rubia Barcia, que finalmente recusa o convite temendo a caça de bruxas de Mac Carthy.

O amigo e tradutor de Langston Huges, poeta do Harlem.

O brilhante homo academicus das universidades nova-iorquinas.

O que não se apresenta quando lhe concedem o Doutor Honoris causa em Coimbra.

O irmão do poeta proto-reintegracionista Fernando Pérez Guerra.

Um tipo em Galaxia que cita Bob Dylan e Bette Davis!

O promotor do Acordo Ortográfico em 1988, que rematará por levar a Galiza ao Acordo de Rio.

O que recusa a nacionalidade espanhola.

O convidado de honra, junto com Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre, do I Congresso Brasileiro de História e Crítica Literária.

A celebritie da noite carioca e das “páginas de sociedade”.

O que lhe teima a um apresentador da televisão brasileira: “não sou espanhol, sou galego”.

O crítico de arte das esculturas móveis de Calder.

O organizador das cacheladas da Unity Galega de Nova Iorque.

O personagem de Mad Men que deixa a mulher num aburrido residencial de Amytiville enquanto, vestido de dândi, se lança à aventura diária por Manhattan.

O que no Natal de 1986 faz de Rosalia de Castro um best-seller português…

São infinitas as personagens e estórias que partem do caleidoscópio Guerra da Cal. Joel R. Gômez, o seu melhor conhecedor desde há muitos anos, convoca-as a todas, por ordem e sem ausências, no seu mui minucioso Ernesto Guerra Da Cal, do exílio a galego universal. É tal a densidade coral do repasto dacalaino que apenas proporei dous possíveis percursos por este livro.

O primeiro perfila o intelectual mais desacomplexadamente independentista da geração Galaxia, incansável sabotador do que agora se deu en chamar “Cultura de Autonomia”, e passa polas páginas 107, 173, 179, 223, 226 n.130, 229 n131, 246, 255, 260, 317, 318 e 322.

O segundo, mais apaixonante ainda, é a história subterrânea dum activisimo agente da Guerra Fria cultural, que aproveita a conjuntura para colocar a Galiza no mapa internacional à vez que promove a sua própria carreira. A falta de algum James Ellroy que dê jeito a tudo isto, leiam-se como se fossem um thriller as seguintes páginas: 46, 48, 49, 50, 51, 62-65, 84, 87, 98, 112, 139 e 159.

 

Carlos C. Varela

Carlos C. Varela

Carlos Calvo Varela (Ordes, 1988) colaborou e colabora com diveros meios de comunicaçom, entre os quais Novas da Galiza, Praza Pública e o Portal Galego da Língua. Estudante de Antropologia e investigador, tem publicado numerosos artigos em portais web, revistas e livros, além de realizar um reconhecido labor como dinamizador social e cultural em coletivos de Compostela e Ordes.
Carlos C. Varela

Latest posts by Carlos C. Varela (see all)


PUBLICIDADE

  • TerraBeirã

    Esta história é sem dúvida a Odiseia galego-portuguesa pero creio que a viagem não acabará até não achegar as ideias e chegar a “Ítaca”.

  • jot

    Obrigados João, Carlos e Joel por relembrardes-nos o Ernesto. http://guerradacal.academiagalega.org