Partilhar

Vencedoras Certame Manuel Murguia de Arteijo

No passado 11 de maio, celebrou-se a cerimónia de entrega de prémios às 20:00 hs no Centro Cívico e Cultural de Arteijo.

certame-manuel-murguia-27-arteixo

 

O júri, composto por Begoña Paz (escritora e representante da Associação de Escritoras e Escritores en Língua Galega), Mario Regueira (crítico literário representante da Asociação Galega da Crítica), Teresa Moure (escritora vencedora na 26ª edição) e Alfredo Ferreiro Salgueiro (coordenador, que assistiu como secretário, com voz e sem voto), decidiu por maioria conceder os três prémios nas seguintes obras finalistas:

certame-manuel-murguia-27-arteixo-ganhadores1. Primeiro prémio, consistente em 4000 euros e a publicação da obra, ao relato Bochorno, de Charo Pita.

2. Segundo prémio, com 500 euros e a publicação da obra, ao relato A porta do Reconhecimento, de Tiago Alves Costa.

3. Terceiro prémio, com 300 euros e a publicação da obra, ao relato Unha praia na Polinesia, de Mercedes Leobalde García.

De todos os relatos recebidos, 63 foram admitidos a concurso por cumprirem estritamente as bases.

A coordenação agradece mais um ano a presença no júri de um membro da Associação de Escritoras e Escritores em Língua Galega, assim como outro da Associação Galega da Crítica, facto que contribui a alicerçar o rigor do Certame no contexto sistema literário galego.

O evento de entrega ofereceu outros atrativos para todas as assistentes: a atuação musical de Aida Saco Beiroa, compositora que interpretou a piano peças do seu disco Atmosferas; ao mesmo tempo, o humorista gráfico Luís Davila deleitou o público com os seus desenhos projetados ao vivo. Como fim de festa ofereceu-se um vinho de honra.

Luis Davila e Aida Saco
Luis Davila e Aida Saco

Incluiu, aliás, uma lembrança da figura de María Victoria Moreno, escritora homenageada este ano no Dia das Letras Galegas. Alfredo Ferreiro, coordenador literário, foi o apresentador do evento.

 

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”