Partilhar

Queique de abacate e limão

A história dessa queique começa no Twitter, onde por acaso vi uma queique de abacate (abacate?) Com cobertura de limão. Como estava com um pouco de fome e só comia um abacate, resolvi substituir o iogurte dos queiques mais clássicos por este.

Não poderia ter gostado mais do resultado: ficou muito saboroso (a gordura da polpa transmite muito bem os aromas) e super macio, conservando-se por pelo menos 4 dias. Além disso, é indicado para quem tem intolerância à lactose. Se você gosta de bolos de frutas, dê uma olhada nestes clafoutis de maçã, ou neste bolo de morango, que já estão na estação.

Ingredientes (para um bolo de 8 porções, aprox.)

  • 4 ovos médios
  • 80 ml de azeite, mais uma pitada para a forma
  • 160 gr de açúcar
  • Um pequeno abacate
  • Sumo e raspas de meio limão
  • 250 gr de farinha (espelta ou trigo)
  • Meia colher de chá de bicarbonato de sódio
  • Uma pitada de sal
  • Açúcar em pó para decorar

Pré-aqueça o forno a 180 graus. Numa tigela grande, bata os ovos, o açúcar, o azeite e as raspas de limão. Descasque o abacate, retire o caroço e amasse com uma faca até formar uma pasta. Colocamos a massa na tigela, continuamos batendo até obter uma massa homogênea. Num prato misturamos a farinha com o bicarbonato e o sal. Adicionamos o sumo de limão e a mistura de farinha aos poucos, sem parar de bater. Untamos uma forma de metal com azeite e colocamos um pedaço de papel para fornear em toda a extensão da forma. Cozinhamos por 30-35 minutos. Deixamos arrefecer e decoramos com açúcar em pó.

Podes encontrar esta receita, e muitas outras receitas deliciosas, no sítio web asreceitasdexiana.com. Se gostas, podes segui-la também no Instagram e X. Bom proveito!

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”