Partilhar

“O Corpo Aberto”, último filme de Ángeles Huerta é umha produçom galego-portuguesa

Ángeles Huerta já falou para o PGL em 2019 durante o processo de gravação. Este novo trabalho, a primeira longa-metragem da autora de Esquece Monelos, estará nos cinemas a partir de dezembro.

O filme está ambientado na raia entre Galiza e Portugal no início do século XX, e explora a ideia de regiões fronteiriças, não apenas geográfica, mas também entre a realidade e a fantasia, entre a vida e a morte e entre o feminino e o masculino.

Catalogado como filme de Terror/Drama, é uma adaptação de um relato de Méndez Ferrín, o primeiro do livro ‘Arraianos’. O filme dura 88 minutos e conta com o trabalho interpretativo de Tamar Novas, Victoria Guerra, María Vásquez e José Fidalgo. Ademais, a banda sonora foi encomendada a Mercedes Peón.
“O Corpo Aberto” é a primeira longa-metragem de Angeles Huerta, definida pela crítica como “um inquietante conto gótico”, um estudo sobre a relação e tensões entre povos.
A nível linguístico e cultural, “O Corpo Aberto” destaca pola sua riqueza cultural e linguística. Uma narrativa falada em português de Portugal, da Galiza e castelhano, de forma intercambiável e realista, com personagens de diferentes proveniências, falando entre si na sua língua mãe e entendendo-se na perfeição.

A nível linguístico e cultural, “O Corpo Aberto” destaca pola sua riqueza cultural e linguística. Uma narrativa falada em português de Portugal, da Galiza e castelhano, de forma intercambiável e realista, com personagens de diferentes proveniências, falando entre si na sua língua mãe e entendendo-se na perfeição.

O protagonista, Miguel (Tamar Novas) é um jovem professor destinado a uma pequena cidade serrana na fronteira entre Galiza e Portugal: Lobosandaus, um lugar inóspito, habitado por pessoas distantes e com tradições remotas. Não parece o lugar ideal para alguém como Miguel, obstinado em difundir luz e conhecimento entre os seus alunos e alunas. Mas a razão não pode dominar o desejo e, à medida que o inverno avança, Miguel sente como a escuridão toma conta de tudo ao seu redor.

 

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo

Crianças homenageiam Rosalia de Castro este sábado em Outeiro de Rei

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’