O complexo de Jonás



jonah-spat-out-by-the-whale-engraving-by-jonas-umbach-cabinet-painter-to-the-bi-shop-ofB. é um vizinho dumha pequena vila interior que ganha a vida de alvanel e para-me um dia pola rua, depois de identificar o meu carro como um dos pouquíssimos que levam o colante ‘GZ’ acarom da obrigada matrícula espanhola. ‘Eu som nacionalista’, di-me em tom confidencial. ‘Na casa tenho a bandeira da estrela na parede, e o escudo da sereia. No carro prefiro nom levar nada, nengum distintivo, porque sabes? Aqui a gente fala, e depois em funçom de como penses actua assi ou asá, e dam-che trabalho, ou se cadra nom cho dam. Claro que se por mim fora, eu levaria o GZ ou o que fixera falta.’

J. é ex-companheiro na Universidade de Santiago de Compostela. Militava em várias frentes e participava afervoado em todos os debates dos 90, nos fundamentais, nos secundários e também nos inúteis. Mais um dos tantos galeguistas apaixonado pola língua, dominava várias normas ortográficas quando nós ainda inçávamos de gralhas os nossos panfletos em AGAL. Com o tempo, volcou os seus talentos à literatura, e desde os livros promove a causa galega. O seu êxito é, porém, agredoce: ‘agora já escrevo quase todo em ILG, nom sendo cousas pessoais que ficam no privado. Para publicar, nom sabes? Porque é umha derrota se os nossos textos nom passam dos fanzines e redes sociais, nom saímos da marginalidade. Claro que eu som reintegracionista, mas tampouco podes ir de cabeça… a ver se agora com a proposta de binormativismo… porque se eliminassem a censura, eu escreveria todo em português.’

“Para publicar, nom sabes? Porque é umha derrota se os nossos textos nom passam dos fanzines e redes sociais, nom saímos da marginalidade. Claro que eu som reintegracionista, mas tampouco podes ir de cabeça… a ver se agora com a proposta de binormativismo… porque se eliminassem a censura, eu escreveria todo em português.”

P. é um conhecido da adolescência. Quer a Galiza à sua maneira, intensamente, mas pensa que associar a sua defesa com agitaçons de rua, minorias subversivas e utopias políticas arreda a maioria do nosso ideário. ‘Num país conservador como o nosso, esse caminho está bloqueado. Há que ir a algo mais transversal, além da direita ou da esquerda, e sobretodo amável, e que fale de benefícios económicos, como fam os cataláns’ Curioseou como internauta em toda quanta iniciativa de galeguismo liberal se fabulou, e mesmo assistiu presencialmente a alguns cônclaves que pretendiam relançá-lo. ‘Nada, isso nunca dá arrancado, sabes? Muitos egos. Ora, eu se se pugesse gente seria, de novo, eu estaria.’

G. é independentista e, ao contrário que o anterior, acredita que só colocando a questom galega com toda afouteza, sem médias tintas, podemos avançar. Também crê que só os mais oprimidos desta sociedade vam ir a sério por um movimento social e político que mude as cousas. ‘O outro som todo jogos de poder’, diz. Peregrinou por várias organizaçons arredistas, das que saiu sempre traumatizado por umha série inacabável de conflitos e cisons, e deixou todo o ativismo para se concentrar na vida privada. Ainda espera, mentres lhe medram as canas, por um agente imprevisto, ou umha fórmula inédita, que transforme o chumbo em ouro: ‘si, eu sei que andades aí, trabalhando, mas perdoa-me, é o puto rolho de sempre. Eu se houvesse garantias de algo sério, aí me implicaria.’

Todos eles som casos reais, dos que omitimos nomes e dados mais precisos por respeito à intimidade. A qualquer leitor lhe resultariam familiares, pois som quase tipos sociológicos do movimento galego. Sem defenderem a mesma ideologia, partilham várias cousas: numha sociedade como a nossa, que confia na salvaçom individual, andam a contracorrente e cifram parte do sentido da sua vida numha causa colectiva; na confusom dominante, tenhem ideias mui claras, mesmo podemos dizer claríssimas, sobre o que deve ser feito. Mas por cima de todo, o que partilham é a utilizaçom recorrente do condicional: ‘seriam’, ‘fariam’ e ‘estariam’ se algum fator alheio a eles, um elemento que foge por completo ao seu controlo, resolve o elemento de bloqueio.

Na confusom dominante, tenhem ideias mui claras, mesmo podemos dizer claríssimas, sobre o que deve ser feito. Mas por cima de todo, o que partilham é a utilizaçom recorrente do condicional: ‘seriam’, ‘fariam’ e ‘estariam’ se algum fator alheio a eles, um elemento que foge por completo ao seu controlo, resolve o elemento de bloqueio.

Há cinco décadas, o psicólogo estadounidense Abraham Maslow falou do ‘complexo de Jonás’. Para explicá-lo, nas aulas perguntava aos seus alunos e alunas quem se imaginava no futuro sendo um grande novelista, um músico, um desportista, um trabalhador especializado ou um líder. A resposta, invariavelmente, eram risos nervosos, intercámbio de olhadas de esguelho ou cabeças baixas. A seguir, o professor inquiria: ‘e se nom és tu, quem o vai ser?’

A pergunta nom provocava rechaço aberto, senom mais bem umha incomodidade íntima. A razom era que apontava certeira a umha aspiraçom que todas as pessoas levamos no celme: um sentido de poder ser, apesar de todos os nossos complexos e misérias, úteis, valiosas, autoras de contributos ao mundo que nos rodea. Na tradiçom protestante, esta arela de melhora tem-se canalizado para a concepçom da própria carreira profissional como achega à sociedade, o chamado ‘egoísmo altruísta’; em países de tradiçom católica onde assentou umha forte cultura de classe, e que, como o nosso, enfrentam por cima um processo de assimilaçom nacional, esta concepçom do melhor dum mesmo nunca se puido deslindar do serviço à causa; da noçom de volcar saberes, destreças e património pessoal no mundo comunitário que nos ampara e nos transcende. Todas as biografias dos melhores homens e mulheres do nacionalismo translozem esta fusom indestrutível entre vocaçom pessoal e serviço colectivo, entre cultivo apaixonado dos talentos individuais e desenvolvimento destes no seio do grupo. ‘Se tirades todo o que de galego há na minha obra -deixou escrito Castelao- nom ficaria nada’. Que debuxante, médico, narrador, ensaísta e político ficaria em pé no de Rianjo se por trás nom existisse um galeguista e humanista?

Todas as biografias dos melhores homens e mulheres do nacionalismo translozem esta fusom indestrutível entre vocaçom pessoal e serviço colectivo, entre cultivo apaixonado dos talentos individuais e desenvolvimento destes no seio do grupo. ‘Se tirades todo o que de galego há na minha obra -deixou escrito Castelao- nom ficaria nada’. Que debuxante, médico, narrador, ensaísta e político ficaria em pé no de Rianjo se por trás nom existisse um galeguista e humanista?

Mas por que ‘complexo de Jonás’? Maslow, um socialista moderado de origens judeas, possivelmente se empapara da tradiçom religiosa familiar, e lembrava-nos que Jonás era aquele profeta surdo e testám que umha e outra vez ignorava os chamados do seu deus a desempenhar umha alta missom, polo que foi duramente condenado a naufragar e viver no ventre dum peixe monstruoso por três dias e três noites. Ainda como ateus ou agnósticos pouco familiarizados com a Bíblia, captamos a alegoria: depois de assegurarmos as exigências vitais mínimas da comida e o acobilho, da relativa segurança e dum certo aprezo dos demais, há algo que nos chama: os anglosaxons nomeam-no exactamente assim, ‘calling’, e nós utilizamos o termo ‘vocaçom’. Quem escuitasse este chamado dirá-nos que se sente num estado mais elevado que quem habita no prazer sensual ou na pura subsistência biológica, esse que os mitos descrevem como ‘divino’. E quem fixesse orelhas moucas a este apelo, saberá o que quer transmitir a narraçom com a imagem da negrura impenetrável que viviu Jonás quando a balea o devorou.

Quem escuitasse este chamado dirá-nos que se sente num estado mais elevado que quem habita no prazer sensual ou na pura subsistência biológica, esse que os mitos descrevem como ‘divino’. E quem fixesse orelhas moucas a este apelo, saberá o que quer transmitir a narraçom com a imagem da negrura impenetrável que viviu Jonás quando a balea o devorou.

Desouvir a voz nom é irracional e certamente leva a avantagens mui palpáveis. Como todo conservadurismo, apoia-se na força dos logros contra as ensonhaçons, do costume contra a experimentaçom, da familiaridade contra a estranheza; ora, por trás das avantagens também se podem identificar frutos impensados. Na psicologia, o complexo de Jonás transloze-se numha especial inclinaçom ao negativo: por vezes dá lugar a estados de ánimo mórbidos e à recriaçom na cara escura da vida, mesmo se o indivíduo nom foi alcançado pola desgraça; outras aparece como hostilidade contra a a gente e vontade de discórdia; ainda, em ocasions manifesta-se como autocomiseraçom e publicidade impúdica das carências próprias, a clássica bandeira do vitimismo que tantos galegos tenhem ondeado.

Estes comportamentos viram mais e mais intensos quanto maior é o grau de irresponsabilizaçom própria com os destinos colectivos, e é por isso que na Galiza nos sona tanto a melodia, ainda sem sermos quem de identificá-la com um nome. Quando nos decidamos a reconquistar cada umha das nossas vocaçons de serviço -por modestas que estas forem- notaremos umha força de novo tipo, e provavelmente umha felicidade que temos esquecido.

[Este artigo foi publicado originariamente no galizalivre.com]

Antom Santos

Antom Santos

Antom Santos (Compostela, 1979) Formado como historiador em Contemporánea na USC. Militante independentista, colabora com vários meios de comunicaçom galegos.
Antom Santos

Latest posts by Antom Santos (see all)


PUBLICIDADE

  • ernestovazquezsouza

    Ostras… que bom… eu devo estar afetado por esse complexo… perfeitamente podia encaixar aí… já me vejo:

    E. Senhor de mais de 50, emigrante inadaptado numa cidade espanhola “de províncias”…

  • Joám Lopes Facal

    Lúcida análise da melancolia da derrota e das estratégias de justificaçom no interminável entretanto que nos acolhe. A tipologia da má consciência é muito evocadora como bem reconhece o Ernesto.
    O magnífico economista heterodoxo Albert Otto Hirschman descreveu com agudeza
    no seu livro “Exit, voice and loyalty” o trilema do derrotado: Abandono (saída), Queixa (alçar a voz) ou Lealdade, ante a falta de alternativa. Onde queremos situamos?

    • ernestovazquezsouza

      A derrota é incontornável. Eu opto sem dissimulo pelo abandono.

      De qualquer jeito, talvez parte do fenómeno cá descrito, parte dessa ideia tópica da militância como pertença a uma milícia de homens e mulheres bons, generosos e abnegados que sacrificam a sua vida, o seu tempo, e o seu arredor social e família, a cambio de um sentimento (quase religioso) que conforta… ?

      Talvez isso é um erro de base e portanto uma má escola… não há bons nem generosas… há gente que tenta fazer cousas com mais ou menos sucesso e paixão… acreditar nessas milongas em contraste com a realidade existente acho que é o que gera frustração e sensação de imbecilidade e de tempo perdido quando menos aos cépticos e ateus que não querem qualquer sensação de conforto quanto palpar realidades e obras feitas… ?

      • Joám Lopes Facal

        Abandono portanto, Ernesto, refúgio na nobre ética do cepticismo estóico que demite da dimensom política para abraçar o ideal da ataraxia ou da vida elementar e intransferível. O sábio ideal do epicureísmo

        • ernestovazquezsouza

          isso me temia Doutor… eu também me auto-diagnostico de Abandono…

  • Mário J. Herrero Valeiro

    Fragmentos de uma crónica de nós.