Morreu na Corunha Salvador Mosteiro Díaz de la Rocha



Salvador Mosteiro Pena, pai do finado.

Salvador Mosteiro Pena, pai do finado.

Era filho dum dos fundadores das Irmandades da Fala: Salvador Mosteiro Pena. Seu ilustre pai foi ativo participante no desenvolvimento da identidade da Galiza. A ele devesse-lhe o Vocabulário das Irmandades da Fala, quer na sua elaboração e edição que pagou de seu bolso. Salvador Mosteiro é um dos assinantes do Manifesto da Asemblea Nazonalista de Lugo em que aparece assinando como secretário do acto. Foi também um dos fundadores da primeira A Nosa Terra e diretor deste jornal. Também articulista assinando como S.M.P. Como Presidente das I.F.da Crunha apoia  criar um Partido Político que unifique as diferentes entidades do País: Autonomista, Republicano e Agrário. Sempre estivo presto para colaborar, ajudar e suster o movimento nazonalista galego. Era partidário de reintegrar o galego com o seu espaço linguístico natural, o mundo do Português.  Seguramente pola amizade com Joám Vicente Viqueira a quem frequentava na sua finca de São Vitorio em Vixoi. Na altura um foco  cultural e intelectual de alcance internacional. Mantivo muito boas relações com os intelectuais de Galiza de Espanha e de Portugal, nomeadamente com Teixeira de Pascoaes. Tem escrito colaborações no jornal a Estrela do Lima reclamando uma maior conexão entre a intelectualidade galega e portuguesa. Fundou em Betanços a revista Rexurdimento em 1922 da que foi seu primeiro diretor. Ainda que a sua profissão era a medicina sempre estivo apoiando e participando em qualquer movimento do nazonalismo galego. Como na organização do ato da homenagem a Castelao celebrado em Lugo em 1918. Salvador Mosteiro Pena participou das reuniões e conversas da Cova Céltica da Crunha e fundou em Madrid junto com Fermim Penzol a Mocidade Céltica. Pode-se dizer que conheceu e tratou ao mais salientável da cultura da Galiza, como Castelao, Otero Pedrayo, Vicente Risco, os irmãos Vilar Ponte,  Os irmãos Correia Calderon, que fundaram em Lugo a revista Ronsel, etc.

Salvador Mosteiro Pena participou das reuniões e conversas da Cova Céltica da Crunha e fundou em Madrid junto com Fermim Penzol a Mocidade Céltica.

Hoje deixa-nos o seu filho que leva o seu mesmo nome. Agromam muitas saudades perante a perda humana e também pola atual desconexão da Galiza com o nosso passado mais ilustre, mais revolucionário, criativo e conflitivo. Se calhar este passado e desconhecido para muitas pessoas da Galiza, mesmo para muito do professorado que leciona língua e cultura galegas. Que têm a responsabilidade da transmissão cultural da nossa história, da nossa fala e de nossa peculiar maneira de estarmos no mundo.

Eu lamento muito a  perda de Salvador Mosteiro filho porque sinto que parte da história de meu país e da minha família vai-se com ele.

Eu lamento muito a  perda de Salvador Mosteiro filho porque sinto que parte da história de meu país e da minha família vai-se com ele. Nós mantínhamos um trato familiar e afetuoso, como adoita ser na minha família. Ele era primo carnal de meu pai, Antonio Figueroa Mosteiro. Quero enviar desde estas páginas o meu mais sentido pêsames para a sua esposa Fe, e para as suas filhas a quem desejo lembrar que procedem da estirpe que está na cerna dura da Galiza. Com elas participo da sua dor e também do futuro sorridente que, com certeza nos aguarda.

Adela Figueroa Panisse

Adela Figueroa Panisse

Adela Clorinda Figueroa Panisse é de Lugo (Galiza), fazedora de versos, observadora do mundo e cuidadora de amizades. Trabalhadora no ambientalismo e na criatividade da palavra. Foi professora e lutadora pela recuperação da dignidade da Galiza e, ainda, pela solidariedade entre os seres humanos e a sua reconciliação com a terra. Gosta de rir, cantar e de contar contos. Também de escutar histórias, de preferência ternas e de humor.
Adela Figueroa Panisse

Latest posts by Adela Figueroa Panisse (see all)


PUBLICIDADE

  • https://pglingua.org/index.php abanhos

    Muito bom artigo, e mui boas informações.
    Obrigado Adela

  • ernestovazquezsouza

    oh… lamento…

    mas que bem saber todas estas cousas, este tecido de conexões e relações familiares e sociais que explica depois tanta cousa…

    aperta!

  • Antonio Gil

    Lamento-o deveras. Em tempos tratei com ele e esposa. Facilitou-me material muito pertinente sobre seu pai. Sei que redigi um texto a instâncias dele, publicado não lembro bem. Acho que no Boletim da AGLP. Não os tenho aqui, mas alguém pode consultá-los e dirá. DEP.