Partilhar

Concerto de Ukestra do Medio esta sexta-feira em Ourense

O grupo de Compostela estará na Sala Auriense a apresentar o seu trabalho, “Histórias cativas”, um disco de oito temas no que destacam as composições próprias e o som característico dos seus ukuleles.

  • O disco, editado por Ukelixo, está disponível em formato CD e em todas as plataformas digitais.
  • “Histórias cativas” é o terceiro disco da Ukestra do Medio, um trabalho que aposta maioritariamente polas composiçons próprias mantendo os seus sinais de identidade: a heterogeneidade de estilos musicais e o particular som dos ukuleles.

Histórias cativas

A banda de ukuleles de Compostela apresenta seis temas próprios acompanhados de duas versons coas que continuam a construir um estilo ao que já apontavam no seu anterior disco: influências de diferentes formas da música popular do século XX como o country, pop, surf ou swing levadas ao seu terreno com instrumentos singelos como som os ukuleles, baixo e cajón, combinados ou acompanhados por outros como a tábua de lavar, o güiro ou o xilofone…, um compêndio de instrumentos miúdos através dos quais marcam o ritmo de pequenas histórias sobre o amor (“Imitación á vida”), as expectativas truncadas (“Promesas”) os tempos passados (“Onde vam?”) ou vidas desgraçadas (“Vendeu-no Todo”). Letras graves, às vezes, que contrastam coa frescura do som dos ukeleles.

Num dos temas homenageiam o professor Ricardo Carvalho Calero musicando o seu poema “Tanto se Amavam” e incluem duas versons bem diferentes: “Five Foot Two, Eyes of Blue”, um clássico do swing-jazz da década dos ’20 do passado século e “Sonhos”, tema dos Ruxe Ruxe que também incluirom no tributo à banda de Arins polo seu XXV aniversário.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”