Partilhar

Como ler português com pronúncia galega?

Será que é possível ler qualquer texto português usando, simplesmente, a pronúncia galega? O espaço televisivo Galego de Todo o Mundo, do presidente da AGAL para Nós Televisión, mostra no último programa como efetivamente é mais fácil do que as pessoas pensam. Aproveitando o facto de estar programada em Compostela para o próximo dia 17 de dezembro uma leitura continuada do Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago, o presidente da AGAL extrai os exemplos desta obra.

Ler em português nom representa grande dificuldade para quem saiba galego. A maioria das pessoas fai isso nas suas viagens a Portugal sem ter estudado português. Mesmo assim, há quem tenha medo de ler em voz alta ou de ler um livro inteiro.

É um receio infundado, como o Eduardo Maragoto mostra no seu vídeo, que começa esclarecendo que, “se és de um país lusófono ou estás a aprender português, é lógico tentares ler os textos escritos em português com a pronúncia desses países. Ora, se fores galego e nom estudaste português o lógico é leres esses mesmos textos à galega, quer dizer, com a pronúncia da Galiza”.

“Se és de um país lusófono ou estás a aprender português, é lógico tentares ler os textos escritos em português com a pronúncia desses países. Ora, se fores galego e nom estudaste português o lógico é leres esses mesmos textos à galega, quer dizer, com a pronúncia da Galiza”.

Maragoto identifica duas atitudes, igualmente válidas, na hora de ler um texo português à galega: “Normalmente, as pessoas reintegracionistas, que já têm muito hábito, leem fazendo as adaptações necessárias para os textos ficarem completamente galegos. Mas há quem tenha menos prática e fique mais dependente da literalidade do texto”.

Aberto prazo de pré-inscrições para os cursos aPorto 2024

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Aberto prazo de pré-inscrições para os cursos aPorto 2024

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico