Partilhar

Brasil e Galiza unidos pela música

MAT[R]IZ é o nome de um primoroso trabalho musical, resultado do encontro do violeiro brasileiro Ivan Vilela e do saxofonista galego Pablo Castaño, já sendo considerado um dos principais destaques no cenário discográfico da Galiza neste ano.

O álbum, concluído somente em 2022, começou a ser preparado um ano antes, quando os músicos se encontraram em Compostela, às margens do rio Sarela e, demonstra mais uma vez que a música é uma linguagem universal

O encontro (aparentemente) inusitado da cultura caipira, por meio viola brasileira, com o jazz, pelo saxofone, resultou em uma sonoridade encantadora, fazendo a mistura dos ritmos da música tradicional brasileira com o lirismo do cancioneiro galego.

Esse trabalho está disponível nas plataformas digitais, como o Spotify, mas o público também foi brindado com a gravação em vinil e um belo trabalho gráfico.

Com concepção e direção do produtor Ramon Almuinha, esse disco é um produto da aCentralFolque. O repertório apresenta duas composições de Pablo Castaño, duas do folclore galego e cinco do repertório brasileiro, incluindo a primeira faixa, em parceria com André Tiso e Zé Renato Fressato.

Artigos sobre Ivan Vilela e a viola caipira no PGL, aceda aqui e aqui.

Pablo Pastor

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”