Partilhar

As vagas de Português na OPE passam de 4 para 6

As vagas que finalmente se oferecem na oferta pública de emprego para 2022 passam de 4 para 6 especialistas, após reclamação de agentes sociais e sindicatos, o que, para a DPG é “mais um pequeno avanço no clima de entendimento gerado à volta do português”. A Associação de professoras e professores de Português na Galiza difundiu o seguinte comunicado:

Quer o Governo quer amplos setores representativos da sociedade galega têm defendido publicamente que a Galiza deve liderar as políticas de língua portuguesa no conjunto do Estado e implementar de maneira efetiva os compromissos derivados da Lei Paz Andrade e dos atuais avanços nas instituições internacionais. Na nossa opinião, atendendo a essa vontade de liderança e compromisso com a língua portuguesa a cifra continua a ser insuficiente para dar conta das necessidades atuais de assentamento da matéria e sobretudo para as expectativas de crescimento.

Contudo, avaliamos positivamente a disposição para ouvir e mudar os posicionamentos iniciais. Nesse sentido, e apesar de que o momento político e as condições criadas no ensino indicavam um aumento significativo que realmente devia ter sido superior já na própria convocatória inicial, consideramos positivo o próprio facto da retificação.

adpgAinda, acreditamos que um modelo planificado de avanço da matéria deve ser colocado o quanto antes a funcionar. Da DPG defendemos que a planificação e sistematização dum processo de incorporação progressiva do português a todos os centros de ensino começa a passar neste momento por um maior desenvolvimento normativo e uma concretização legal na área da educação para o qual oferecemos todo o nosso apoio ao governo e aos diferentes grupos parlamentares.

É por isso que na linha das últimas atuações do nosso coletivo continuamos a oferecer a nossa boa disposição para participarmos do desenvolvimento normativo da lei na nossa área de trabalho e, nesse sentido, os novos passos a dar deveriam fugir do tratamento da nossa especialidade como se fosse uma outra matéria qualquer.

Os apoios e defesa pública constante duma maior presença do português já têm demonstrado que este é um assunto consensual e especialmente sentido como próprio por múltiplos agentes sociais.

Sendo uma aposta estratégica do governo, da sociedade civil e de todo o arco parlamentar por uma língua global isto deve continuar a ser defendido com políticas públicas de implementação decididas e geradoras de consensos unânimes.

Para concluir insistimos em que a atual conjuntura é talvez um momento apropriado para preparar o caminho à expansão planificada da matéria, assegurando o abrigo legal de departamentos pedagógicos e para consensualizar, entre todos os atores envolvidos, um quadro normativo específico que desenvolva e concretize o cumprimento da lei 1/2014 no âmbito do ensino.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”