Partilhar

A importância do turismo na sociedade

turismoO turismo quebra várias barreiras, quando se fala de cultura, preservação, sustentabilidade, respeito, experiência, tradição, costumes e muito mais. É preciso entender como este setor, se conecta com o quotidiano da sociedade e como ajuda na construção e no desenvolvimento de cada cultura.
A evolução do turismo foi exponencial e notável ao longo das décadas, ganhando cada vez mais adeptos, preparados para conhecerem novas culturas e fazer parte de novas experiências, bem como a perceção de turismo que se foi alterando ao longo do tempo, dirigindo-se a uma forma cada vez mais sustentável, felizmente.

Turismo: Antigamente vs Atualidade
Desde o tempo dos romanos e da idade média, que o turismo já era algo considerado como lazer, não propriamente para todas as pessoas, mas para os mais ricos e com estatutos sociais elevados. Os romanos e a sua construção de estradas, permitiu o impulso deste setor e com o aparecimento de hotéis e pousadas na idade média (totalmente diferentes do que aqueles que conhecemos nos dias de hoje) foi-se desenvolvendo e atraindo mais adeptos de viajar.
Um homem foi responsável pelo turismo que se desenvolveu-se como uma indústria, que conhecemos atualmente, Thomas Cook, empresário inglês, considerado como o pai do turismo, escreveu vários guias de viagens, que na altura eram chamados de “Manual do turista”, basicamente guias de viagens como os da atualidade.

cook
Thomas Cook

Organizou, em 1841, a primeira viagem turística da história, planeada e organizada e em 1885 realizou-a com um grupo de turistas numa rota pelos Países Baixos, Bélgica, Alemanha e França. A viagem que fez ao redor do mundo, com nove turistas, demorou 222 dias.
Criou a sua própria empresa de turismo chamada “Thomas Cook”, foi a primeira a surgir, neste setor.

O meio de transporte, também não ficou de fora e ajudou no desenvolvimento do turismo, desde a criação do automóvel até à aviação e aos comboios, que todos os dias movem milhares de pessoas pelo mundo inteiro. É graças também ao transporte que é possível visitar locais com difícil de acesso, que sem eles nunca seria fácil que chegar a esses locais. Os locais foram de desenvolvendo, as suas infraestruturas também e principalmente a sua economia, tudo está interligado, e por razões óbvias, quanto mais desenvolvimento melhor as condições.
No passado, o meio de transporte era algo não muito comum para este tipo de viagens, como tinha referido, só as classes mais altas tinham o privilégio, mas com o decorrer das décadas, o cenário foi-se mudando e as viagens começaram a ser acessíveis para todos, e assim se formou a globalização no setor do turismo. O único problema, com a movimentação massiva de turistas veio degradar o ambiente e a enfraquecer a sustentabilidade, que na altura era pouco referida. Felizmente, nos dias de hoje, a mentalidade é outra e as novas gerações têm consciência da importância da preservação do ambiente e do nosso futuro, e com isso, reformulou-se o modo de viajar e as experiências de turismo.

O único problema, com a movimentação massiva de turistas veio degradar o ambiente e a enfraquecer a sustentabilidade, que na altura era pouco referida.

A experiência do turismo: A perspetiva e a missão de preservar o ambiente.
É importante referir que este setor tem um impacto grande na economia global, e irá continuar a crescer, com o progresso do uso da internet e do meio de transporte, estão todos ligados. Os novos tempos em que vivemos, permite que possamos ter uma noção da realidade em que vivemos, e o quão diferente as coisas são do que eram há 50 anos. Por isso, a “missão” da atualidade e das gerações recentes é preservar e defender o ambiente para um futuro melhor e para as gerações futuras.
Na minha perspetiva, a missão está a ser bem-sucedida, mas longe de ser suficiente. É preciso mudar mentalidades das gerações mais velhas, e é necessário a cooperação de todos, para tornar a sustentabilidade, neste caso, no turismo em algo intrínseco e enraizado para a sua preservação. Como por exemplo, escolher certos tipos de transporte que não emitam altas taxas de carbono para a atmosfera, ou escolher viagens e atividades que estejam relacionadas com a sustentabilidade. Por vezes, temos de abdicar daquelas viagens que são mais baratas, mas que poluem mais e escolher experiências que sustentem o ambiente, que acabam por ser mais caras, mas por um bem maior, e atualmente, a maior parte dos visitantes já tem consciência dessas escolhas e preferem algo mais caro, de acordo com as suas preferências.
Para terminar, é com orgulho que refiro que o turismo, que está praticamente em todo o lado, representa uma das grandes fatias, se não a maior fatia, económica, mundialmente, e que está direcionada para a sustentabilidade na sua maior parte. E com isso é importante continuar a preservar e a desenvolver métodos de progresso no setor e na sua defesa para as gerações futuras e para um turismo sustentável a longo prazo.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”