Partilhar

2ª edição de Guerra de Grafias e Conflito de elites

marioherrerovaleiro_capa_2a-488x710No ano 2011, na infância da Através, saia do prelo este livro que abordava a guerra que desde a década de 1970 enfrentava os defensores da independência glotopolítica do galego em relação ao português (autonomistas, diferencialistas, isolacionistas) e os defensores da unidade glotopolítica do galego-português (reintegracionistas, lusistas, regeneracionistas),  os discursos de ambos e de que forma os primeiros alcançaram a hegemonia.
Em 2015, este volume era completado com A normalização linguística, uma ilusão necessária, onde abordava uma ilusão necessária para nada mudar, a da normalização linguística.
Em 2021, dez anos depois da primeira edição, já está nas rede de livrarias a 2.ª edição de Guerra de Grafias e conflito de elites, num ano em que a língua galega soma 40 anos de oficialidade apoiada num modelo de língua isolado das outras variantes. Ambos os livros vão ajudar a quem os ler a entender como chegamos até aqui.

Sobre o autor: Mário J. Herrero Valeiro (Corunha, 1968)

mario-herreroLicenciado em Filologia Hispânica pola Universidade de Santiago de Compostela e doutor em Filologia Hispânica pola Universidade da Corunha, trabalha de tradutor. Para além de uma extensa obra sociolinguística em atas de congressos e seminários, é autor de vários livros de poemas, entre eles, Outra Vida. Ganhou em 2015 o Prémio literário Glória de Sant’Anna, ao melhor livro de Poesia em Língua Portuguesa. É membro da Academia Galega da Língua Portuguesa.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”