Partilhar

Xesús Mosquera: “no âmbito universitário, a língua da docência revelou-se um aspeto crucial”

Após mais de quatro décadas de oficialidade do galego, os dados sociolinguísticos continuam a marcar mínimos históricos no uso. Para compreender o que acontece e poder intervir para reverter esta situaçom, hoje falamos com Xesús Mosquera, do Serviço de Normalización Lingüística da Universidade da Corunha.

Agora que sumamos mais de 4 décadas de oficialidade do galego, como avalias este período?
Se há que usar um adjetivo seria insatisfatório, mui insatisfatório. Que a oficialidade supôs um avanço é evidente. Dotou a língua de um status, mas se consideramos que o ponto de partida, quanto à base social de falantes, era boa, a situação atual é pouco defendível. Se a isto adicionamos que o âmbito educativo (onde mais se leva intervindo e planificado) hoje atua como um agente desgaleguizador mais, da insatisfação passamos para a deceção, por não falar diretamente de fracasso. São 40 anos de oficialidade, sim, mas com uma única lei de normalização linguística que, ademais, segundo os especialistas, apenas foi desenvolvida. A impressão é que a realidade social superou, ultrapassou a política linguística (PL), já fraca e ineficaz. Fica para a especulação o que teria acontecido com outra PL mais ambiciosa, que quisesse alcançar algo mais que apenas fornecer formação linguística à população.

São 40 anos de oficialidade, sim, mas com uma única lei de normalização linguística que, ademais, segundo os expertos e expertas, apenas foi desenvolta.

Há poucos meses, as estatísticas situavam o galego por baixo do uso maioritário, por primeira vez na história. Que medidas cumprem para reverter o processo de substituiçom linguística?
Com tudo o matizáveis que podem ser esses dados, o certo é que culminam uma tendência, uma série estatística que se leva percebendo nos últimos estudos quantitativos realizados. Com esses ou outros dados, o “sorpasso”, por assim dizer, produziu-se agora, como se poderia ter produzido antes ou nuns poucos meses. Com isso em mente, considero que quatro pilares fundamentais para uma nova política linguística que aspire a outros resultados são: trabalhar com as famílias (vide programa Apego), planificar específica e decididamente para a adolescência e a mocidade, com tudo o que isso implica (audiovisual, tecnologia, redes, lazer, desporto…); reforçar aquelas realidades que sim percebemos com uma dinâmica positiva (a autoestima linguística de comarcas ainda em maior medida galegofalantes ou o fenómeno do neofalantismo, por exemplo) e dotar o galego de um valor no âmbito laboral. Mas, em realidade, não digo nada novo. No plano geral de normalização de 2004 já está recolhido boa parte de todo isto.

Qual é o teu papel ou o da equipa/serviço de normalizaçom linguística na Universidade da Corunha, em que trabalhas? Quais som os principais desafios do vosso trabalho?
Na Universidade da Corunha há aprovados um regulamento de usos e um plano de normalização (anos 2004 e 2005). A base foi formulada de maneira explícita, mas isso não significa que a normalização linguística que acontece na prática seja de baixa intensidade e sem planeamento, por mais que doa dizer isso. O meu dia a dia consiste basicamente em realizar labores de orientação linguística. Quanto aos desafios, no âmbito universitário a língua da docência –entendida como a língua que usa o professorado– revelou-se como um aspeto crucial, porque está demonstrada a sua capacidade de influir na língua ambiental e de uso principal na aula. No conjunto do sistema universitário galego levam-se provadas distintas fórmulas, mas nenhuma calha ou se assenta como a ótima. O certo é que também há reticências internas e dinâmicas globais (espaço europeu de ensino superior, internacionalização e captação de alunado estrangeiro, etc.) que não ajuda, de maneira que nos encontramos com graus com uma presença do galego aceitável e outro com uma presença anedótica ou nula. Esta disparidade, além disso, é sinal de uma clara e preocupante fragmentação sectorial: humanidades e ciências sociais perante engenharias e ciências puras. A renovação paulatina dos quadros docentes presenta-se como uma oportunidade para tentar reverter esta situação.

Quanto aos desafios, no âmbito universitário a língua da docência –entendida como a língua que usa o professorado– revelou-se como um aspeto crucial, porque está demonstrada a sua capacidade de influir na língua ambiental e de uso principal na aula.

Que necessidades observades no dia a dia?
A resposta singela e breve passaria por poder dispor de mais pessoal e orçamento, mas não deixam de ser duas reclamações comuns a qualquer outro âmbito de trabalho ou política pública que se queira efetuar. Eu o que observo é uma flagrante indefinição, uma falta de rumo. Para mim, seria porreiro se aqueles que têm a incumbência de estabelecer objetivos, fixassem metas, por modestas que fossem, e a partir daí iniciassem o trabalho. Dito doutra maneira, fazer por tentar converter em realidade aquilo que se previu, o que se planificou e aprovou. Não é fácil (ninhem diz que o for), mas ao menos tentar. Polo demais, a universidade não é uma exceção à falta de pulsão ou tensão de normalização que se aprecia no conjunto da sociedade.

Existe aquisiçom de material em português ou contrataçom de artistas da Lusofonia para a programaçom cultural da universidade? Como pensas que poderia ser tida em conta a língua portuguesa para reforçar a normalizaçom linguística?
Assim formulada, é uma pergunta que transcende a própria normalização linguística ou o âmbito de atuação de um SNL. Nas universidades sempre houve equipas de trabalho, projetos… com presença de pessoal docente e investigador de ambas as beiras do Minho. Também publicações como, por exemplo, a revista Sarmiento, do âmbito da história da educação. Quero pensar que a proximidade linguística e a intercompreensão são fatores que contribuem à existência desse ecossistema particular. Polo demais, poderia mencionar ações pontuais em que sim se conta com a presença de participantes portugueses em congressos, relatórios, seminários…, mas como tal não é uma linha de trabalho ou ação permanente, mas obedece à vontade ou sensibilidade das pessoas que organizam tais atividades. A difusão de material bibliográfico (manuais) em português é uma medida que recolhe o plano de normalização universitário mencionado.

Qual é a fotografia linguística que imaginas dentro de vinte anos?
Quero pensar que não mui distinta da que podemos obter agora. As “ameaças” e tendências que observamos hoje seguramente continuem aí e possivelmente aparecem outras novas. Por um lado, é possível aliviar com outras medidas políticas e, por isso, acredito que os resultados das eleições dominicais serão relevantes para isso. Pola outra, sobre todo, quero confiar em que a base social militante, comprometida e preocupada pela língua, não só se mantenha, mas que também medre e se apodere, por utilizar um termo tão utilizado ultimamente. Que o otimismo da vontade se imponha e a deceção da que falava antes não acabe derivando numa frustração coletiva. Oxalá em 20 anos podamos falar de um “efeito DígochoEu” ou uma “geração Tanxugueiras”, como alguns já aventuram… Oxalá!

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, na Guarda

Sergio Rey, do IES de Cacheiras, ganha o “I Prêmio Escolar Internacional de Livros de Cordel”

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha