Partilhar

Wael Al-Dahdouh, Pablo González, Nilufar Hamedi e Elahe Mohammadi e Fran Sevilla, candidaturas ao XX Prémio de jornalismo José Couso

O Prémio José Couso, lançado pelo Colexio Profesional de Xornalistas da Galiza e pelo Club de Prensa de Ferrol, com a colaboração da Câmara Municipal de Ferrol, completa vinte anos neste 2024.

Nesta nova edição, quatro candidaturas são elegíveis para o prémio de liberdade de imprensa: o chefe do escritório da Al-Jazeera em Gaza, Wael Al-Dahdouh; o comunicador basco preso na Polónia Pablo González; Nilufar Hamedi e Elahe Mohammadi, as jornalistas iranianas que revelaram o caso de Mahsa Amini; e Fran Sevilla, veterano jornalista radiofónico madrilenho especializado em cobertura de conflitos.

As candidatas e candidatos, que se destacaram pela defesa da liberdade de imprensa, foram propostos por membros do CPXG, associados do Ferrol Press Club ou por entidades e pessoas ligadas à comunicação. Conforme consta no regulamento do prémio, uma comissão específica foi responsável pela escolha das candidaturas finalistas dentre todas as propostas.

Abre-se agora o prazo para escolha da candidatura vencedora, para o qual todos os colegiados e colegiadas do CPXG e pessoas associadas do Club de Prensa de Ferrol Press podem votar até às 14h00 de segunda-feira, 8 de abril.

Sobre as candidaturas

Wael Al-Dahdouh é um jornalista palestino, chefe do escritório da Al-Jazeera na Faixa de Gaza. O seu nome tornou-se conhecido internacionalmente quando continuou a informar sobre os ataques que o seu país está a sofrer, poucas horas depois da sua esposa, filho, filha e neto terem sido mortos num bombardeamento israelita. A sua figura simboliza a resistência dos comunicadores palestinos, vítimas de um massacre sem precedentes.

Pablo González é um jornalista e cientista político basco especializado em informações da antiga órbita soviética. No final de fevereiro de 2022, foi detido em Przemysl, onde cobria a crise dos refugiados ucranianos, pelos serviços secretos polacos. Desde então, encontra-se em prisão preventiva naquele país há mais de dois anos, atualmente na prisão de segurança máxima de Radom, sem que lhe tenha sido apresentada qualquer acusação formal.

Nilufar Hamedi e Elahe Mohammadi são dois jornalistas iranianos conhecidos por reportarem o caso de Mahsa Amini, o primeiro revelando a sua morte e o segundo cobrindo o seu funeral. Por conta dessa informação, foram presos e condenados em 2022 a treze e doze anos de prisão, respectivamente, dos quais cumpriram quinze meses, após os quais foram libertados sob fiança e com proibição de exercer a profissão.

Fran Sevilla é jornalista de rádio de Madrid, especializada em informações de guerra em todo o mundo. Depois de um período em que trabalhou como freelancer, em 1988 ingressou na Rádio Nacional de España como editor, de onde informou sobre os conflitos no Golfo Pérsico, na ex-Jugoslávia, no Afeganistão, no Iraque, na Ucrânia ou em Gaza, entre muitos outros. O seu trabalho jornalístico tem-se caracterizado pela defesa dos mais fracos e dos direitos humanos.

As votações

Com o anúncio das candidaturas fica aberto o período de votação. O júri, composto por todos os membros do Colexio Profesional de Xornalistas da Galiza e pelos associados do Club de Prensa de Ferrol, decidirá o vencedor. Os colegiados e colegiadas podem votar até às 14h00 do dia 8 de abril com o seu nome de utilizador e palavra-passe na parte privada do site www.xornalistas.gal. Por sua vez, os membros do Club de Prensa de Ferrol podem fazê-lo enviando um email para premiocouso@xornalistas.gal.

O Colexio Profesional de Xornalistas da Galiza, criado pela Lei do Parlamento Galego 2/1999, de 24 de fevereiro, e o Club de Prensa de Ferrol, organizam o prémio com o objetivo de reconhecer e divulgar o trabalho de uma pessoa viva ou de uma organização existente que se destaque na a defesa da liberdade de imprensa ou com uma notável carreira profissional, livre e independente.

As dezenove edições anteriores foram para Marcos Méndez (2023), Érika Reija (2022), Manuel Rico (2021), Lorenzo Milá (2020), Defende a Galega (2019), Julia Otero (2018), Xosé Hermida (2017), Miguel Ángel Aguilar (2016), Jordi Évole (2015), Ricardo García Vilanova, Javier Espinosa e Marc Marginedas (2014), Mónica García Prieto (2013), Conselho de Notícias da TVE (2012), WikiLeaks (2011), Daniel Anido e Rodolfo Irago (2010), Rosa María Calaf (2009), Vidal Beneyto (2008), Jon Lee Anderson (2007), Le Monde Diplomatique (2006) e Ali Lmrabet (2005).

50 anos de Abril na Galiza apresenta-se na Escola Oficial de Idiomas de Compostela

Oficina de leitura em português do Brasil

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, em Vigo

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

50 anos de Abril na Galiza apresenta-se na Escola Oficial de Idiomas de Compostela

Oficina de leitura em português do Brasil

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, em Vigo

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023