Partilhar

Santiago Vieito: “O binormativismo é o caminho a seguir para consolidar um verdadeiro processo de normalização”

Santiago Vieito é do Carvalhinho. Quando o galego formou parte das matérias escolares, ele estava em 3º da EGB e nessa altura usava ambas as línguas. Fascinado polo História, é arqueólogo embora agora navegue em labores docentes ligados à Matemática e à Física. Do ponto de vista da escrita é bipolar. Espera por uma utopia para 2050.

Santiago Vieito nasceu e cresceu no Carvalhinho. Como era a fotografia linguística da escola onde estudaste? Havia contrastes segunda a procedência das crianças?

Variava muito entre o ensino fundamental e o ensino médio. Na escola primária havia várias situações. Por um lado, o galego ainda estava em processo de normalização (começou a ser introduzido quando eu estava no 3º ano da EGB), por outro lado, o contexto social daquela escola específica, limitava ainda mais o número de alunos que tinha o galego como língua materna.

No ensino médio, a situação mudou substancialmente. A percentagem de alunos de língua galega era muito superior e uma percentagem muito elevada de ensino também era ministrada em galego.

No teu caso particular, manter a língua foi um processo natural ou precisou de energia e entusiasmos?

Não foi um esforço especial para mim manter o galego.

No entanto, devo dizer que comecei a utilizar a comunicação bilingue desde a escola primária, falando em espanhol ou galego consoante a língua do interlocutor. Acho que foi, por esse facto, que não percebi dificuldade no uso quotidiano do galego porque fui eu mesmo que limitei o seu uso consoante o contexto até bem na adolescência.

Santiago é arqueólogo. Quais as raízes desta vocação?

Eu não poderia dizer com certeza. A História sempre me fascinou (na verdade foi uma das poucas disciplinas em que não houve “irregularidades” durante o meu pré-vestibular)

Quando me formei, tive a sorte de o programa de doutorado deste biénio estar especialmente voltado para a área arqueológica, com professores convidados de reconhecido prestígio na disciplina.

Acabei sendo estagiário da Área e, depois de alguns anos, dei o salto para a área profissional.

Na atualidade és formador/professor da Aula Newton Galicia, Aulas Tecnopole e do programa D’Tec do CIS Tecnoloxía e Deseño de Ferrol. Fala-nos desta entidade e do teu trabalho ali.

A verdade é que o meu trabalho como docente/monitor/divulgador é realizado como trabalhador numa empresa de divulgação científica (Ceo Aberto) na qual exerço também outras funções. O ensino/formação varia muito consoante o espaço de que falamos mas, em termos gerais, centra-se no domínio científico-tecnológico. Concretamente, na Aula Newton Galicia procuramos aproximar os adolescentes à matemática e à física através da sua utilização quotidiana no domínio da aviação.

Há anos que escreves em galego-português. Como foi e está a ser esse processo?

Realmente é um processo complexo porque me é bastante difícil “separar” o galego RAG do Galego-Português que tento incorporar gradualmente. No entanto, devido ao perfil específico do meu trabalho, o material que costumo desenvolver para o meu trabalho deve usar galego RAG. Pode-se tornar um pouco “bipolar”.

Em tua opinião, o binormativismo pode ser uma via eficaz para a estratégia reintegracionista avançar socialmente?

Definitivamente. Mesmo quando compreendo a dificuldade de implementar eficazmente um sistema binormativo consoante o contexto, parece-me que a médio-longo prazo é o caminho a seguir para consolidar um verdadeiro processo de normalização.

Porque decidiste tornar-te sócio da Agal e que esperas do trabalho da associação?

Há anos pensei em expressar de forma mais clara a minha solidariedade pelo esforço desenvolvido pela associação. Era uma questão de tempo até que esse pensamento se materializasse e aconteceu.

No momento estou entrando na ponta dos pés. Seria uma tremenda presunção da minha parte ter, neste momento, expectativas sobre como deve ser o trabalho da associação, quando o meu contributo até agora foi nulo.

Em 2021 somamos 40 anos de oficialidade do galego. Como valorarias esse processo? Que foi o melhor e que foi o pior?

É uma pergunta difícil. Acho que o melhor, com todos os matizes que existem, é o grau de visibilidade do galego em todas as áreas. A suposição de que deve ser a linguagem veicular da administração, sua presença os meios, etc. O mau, obviamente, é que tudo isso que acabei de dizer é muito precário (a presença nos meios é anedótica, o uso por parte da administração é deficiente e pouco ou nenhum cuidado, etc.).

Como gostarias que fosse a “fotografia linguística” da Galiza em 2050?

Suponho que como imaginaram em 1981 que estaríamos em 2023. Com o galego consolidado em todas as áreas, sobretudo na comercial, empresarial, audiovisual, informática e totalmente integrado no campo da lusofonia internacional. Utopia, talvez.

Conhecendo Santiago Vieito:

Um sítio web: memory-alpha.fandom.com (sou muito “trekie”)

Um invento: o cinema/cinematógrafo

Uma música: instrumental, sempre.

Um livro: O senhor dos Anéis

Um facto histórico: a chegada do homem à lua

Um prato na mesa: polvo grelhado

Um desporto: tiro com arco

Um filme: A cidade das crianças perdidas

Uma maravilha: a Virgem abrideira de Alhariz

Além de galego/a: apaixonado pela ciência

Centro Social A pedreira de Ponte Vedra abre inscrições para os seus cursos

Sandra González: “Na fronteira minhota toda a vida vai diante do institucional”

Panfletos e padres ultras na Igreja galega

Novidades Através: Xoán González-Millán, a projeção de um pensamento crítico

Mostra de Teatro galego em Coimbra

O galego já está no Parlamento Europeu e no Congresso espanhol

Centro Social A pedreira de Ponte Vedra abre inscrições para os seus cursos

Sandra González: “Na fronteira minhota toda a vida vai diante do institucional”

Panfletos e padres ultras na Igreja galega

Novidades Através: Xoán González-Millán, a projeção de um pensamento crítico