Partilhar

Reencontrando o Lar próprio

“A língua portuguesa é o meu lar perdido e reencontrado”

Com essas palavras iniciava o professor Carlos Reis a sua palestra na sessão da Academia das Ciências de Lisboa de 14 de julho de 2016; nessa sessão três galegos, membros da Academia Galega da Língua Portuguesa, eram investidos como membros-correspondentes da ACL. Essa frase foi também uma forma poética com a que o antigo reitor da Universidade Aberta homenageava o seu mestre, Ernesto Guerra da Cal, trazendo àquela nobre sala as próprias palavras do saudoso poeta galego e universal.

IMG_9735

Atrás da magnifica conferência do catedrático da Universidade de Coimbra, Carlos Reis, que foi precedida pelas palavras de saudação à Galiza do Presidente da ACL, Artur Anselmo, veio a apresentação dos novos académicos pelo professor e grande dicionarista, amigo da Galiza, João Malaca Casteleiro, naquele dia já histórico; pois não é todos os dias que se vira uma página na história da nossa vida linguística e cultural.

IMG_9704

Depois vieram os discursos dos três novos académicos, pela mesma ordem em que foram nomeados membros da histórica Academia das Ciências de Lisboa. Primeiro em intervir foi Martinho Montero Santalha. O seu discurso foi um repasso pela nossa historia linguística articulado com a erudição e a humanidade que caracteriza este primeiro presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa. Martinho não podia ter escolhido um melhor broche para o final da sua etapa de Presidente da AGLP. Foi a culminação de um percurso que termina e o início de outro.

IMG_9743

O seguinte em fazer uso da palavra foi Ângelo Cristóvão, recentemente nomeado Vice-Presidente da AGLP, depois de oito anos de brilhante labor a cargo da Secretaria da Comissão Executiva. No seu discurso, que se caracterizou pela força e o otimismo ativo, salientou o momento atual que vive a Galiza, as suas potencialidades e as possibilidades que nos oferece a Lei para o Aproveitamento da Língua Portuguesa e Vínculos com a Lusofonia, “Lei Paz Andrade”.

IMG_9739

Finalmente, fechando as intervenções destes três excepcionais galegos, falou Issac Alonso Estraviz. Um revisão da obra dos gramáticos seiscentistas portugueses em relação à Galiza. O discurso do nosso querido dicionarista, intitulado “Do Návia ao Douro, semente da Língua Portuguesa” foi com grande intenção de corrigir assim o gramático português que escrevera “Do Minho ao Douro, semente da língua portuguesa”. Ficam aí as palavras atrevidas, as palavras daquele que se sabe em casa e pode falar, pode criticar, pois sempre será auto-crítica.

IMG_9706

A sensação, tanto na sessão quanto no posterior convívio ao que todos os assistentes fomos convidados para celebrar o evento na própria academia, foi a de estarmos a celebrar, com a maior das normalidades académicas, o retorno dos intelectuais da Galiza ao seio da mais antiga academia da nossa língua comum. Estivemos em casa, fomos reconhecidos, cumprimentados e abraçados como tal. Inauguramos uma nova secção nesta nobre instituição, a de académicos da Galiza.

IMG_9741

Doravante darão continuidade à presença galega iniciada com Ernesto Guerra da Cal e Ricardo Carvalho Calero. Este é um patamar firme do que nunca mais deveremos descer, nesta longa irmandade que vem de sempre e vai para sempre, e além, entre a Galiza e Portugal; e que podemos fazer extensível aos países que no mundo falam a nossa língua.

IMG_9721

Sem dúvida foi um dia de reencontro, de todos nós com o nosso próprio lar, a nossa língua da que levamos andado tempo demais perdidos.

          IMG_9746

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo

Crianças homenageiam Rosalia de Castro este sábado em Outeiro de Rei

Conversa arredor da obra “Porque caiu a Galiza” de José Manuel Barbosa em Carvalho

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo