Partilhar

Pedro Januário: “Defender o galego é, inevitavelmente, defender a minha própria língua”

Os pais do Pedro Januário levavam-no de visita à Galiza, uma terra irmã. Uma delas, mais recente, ofereceu uma fotografia linguística mais triste, o que não o desencorajou a se associar à AGAL. Julga que a língua, tal como é ensinada nas escolas portuguesas não aborda o suficientemente à correção linguística e capacidades de escrita. O Pedro está a formar-se em Engenharia Informática e considera que a Internet está a provocar a anglicização do discurso. Além de português, comunista.

O Pedro Januário já visitou a Galiza em criança. Que lembras daqueles primeiros contactos?

Desde sempre, os meus familiares transmitiram-me a ideia de que “na Galiza toda a gente fala português”, que a Galiza é uma terra irmã (não só na língua). Sendo do Porto, não vivo muito longe da Galiza e lembro-me de, desde muito cedo, a ter visitado várias vezes, mas a verdade é que só tenho memória do paradigma linguístico desde um dia que fui passar a Vigo em 2016.

Novas visitas, já com mais idade, que fotografias linguísticas te ofereceram?

Na tal visita a Vigo, reparei, com algum espanto, que grande parte dos cartazes e das informações estava escrita apenas em castelhano. Lembro-me de o ter comentado com o meu pai, que disse algo como “pois, é a língua oficial [do estado]”. Mais recentemente, no final de 2022, já com mais maturidade e “com outros olhos”, visitei, com um amigo (que também tem interesse pela Galiza e sensibilidade para com a situação da língua), novamente Vigo e A Corunha pela primeira vez. Pude então ver que a ideia que tinha de criança, de que na Galiza se fala português, não correspondia bem à realidade. Recordo-me perfeitamente de estar sentado num banco de jardim e ler, com choque, na Wikipédia, que apenas cerca de 15% d@s habitantes da Corunha em 2011 eram galegofalantes. Estive dois dias nessa cidade e ouvi apenas uma pessoa a falar galego. As próprias tampas de esgoto diziam todas “La Coruña”! Naturalmente, toda esta “fotografia linguística” entristeceu-me: ajuda a desfazer a ideia de irmandade entre a Galiza e Portugal.

Recordo-me perfeitamente de estar sentado num banco de jardim e ler, com choque, na Wikipédia, que apenas cerca de 15% d@s habitantes da Corunha em 2011 eram galegofalantes. Estive dois dias nessa cidade e ouvi apenas uma pessoa a falar galego. As próprias tampas de esgoto diziam todas “La Coruña”!

Porque decidiste tornar-te sócio da Agal, qual foi o motor, que te emocionou para o fazer?

Tenho particular apreço e carinho para com as línguas e culturas/identidades menorizadas. No caso do galego, entristece-me a ameaça à ligação com Portugal. Após ter tirado a “fotografia linguística” que descrevi, resolvi investigar mais sobre a situação do galego e viria a deparar-me, inevitavelmente, com o reintegracionismo. Ao descobrir a proposta gráfica reintegracionista, lembrei-me imediatamente das cantigas de amigo que estudara na escola. Em particular, da terminação -çom, que acaba por ser mais fiel do que -ção à pronúncia “popular” tradicional do Porto. Fez-me muito sentido o argumento de que potenciará a utilidade do galego, além de entender o reintegracionismo como uma valorização da tal irmandade – no fundo, defender o galego é, inevitavelmente, defender a minha própria língua. Associar-me à AGAL pareceu-me o passo certo a dar para poder contribuir para essa defesa e o facto de termos sócios pela lusofonia fora encorajou-me a juntar-me.

Ao descobrir a proposta gráfica reintegracionista, lembrei-me imediatamente das cantigas de amigo que estudara na escola. Em particular, da terminação -çom, que acaba por ser mais fiel do que -ção à pronúncia “popular” tradicional do Porto.

No ensino formal a Galiza aparece mas depois se esquece. Porque achas que acontece isto e que receitas sugeririas para provocar o despertar da Bela Adormecida?

Esta pergunta levou-me imediatamente a refletir sobre a maneira como a História, por exemplo, é dada na escola em Portugal. Penso que ainda está presente uma certa visão colonialista (até cheguei a ter um professor saudosista do Estado Novo) e que acaba também por se cultivar uma certa aversão e rivalidade artificiais em relação ao resto da Península Ibérica. A par com isto, por sua vez, o ensino do Português, como eu o conheci, centra-se demasiado, a meu ver, na literatura portuguesa (o que também é extremamente importante, como é óbvio) em detrimento da língua em si. E com “a língua em si” refiro-me não só à sua história, como também à própria correção linguística e capacidades de escrita, domínio ainda extremamente débil na generalidade dos alunos portugueses. Claro que tudo isto é apenas a minha perceção, mas efetivamente o que trago comigo da escola em relação à Galiza, no campo da língua, são apenas referências esporádicas ao “galaico-português da Idade Média”.

Pedro Januário está a formar-se em Engenharia Informática. Em que medida, julgas, a informática está a afetar os usos linguísticos na sociedade quer positiva, quer negativamente?

A verdade é que a omnipresença da informática, em particular da Internet e das redes sociais, no nosso quotidiano veio promover um maior contacto com outras línguas, nomeadamente a inglesa. O que isto traz de bom é o natural enriquecimento que uma língua pode dar a outra, introduzindo-se novos termos (os tais “empréstimos” que se estuda na escola) e, além de termos, conceitos. E como a introdução de novos conceitos acaba por moldar o pensamento, penso que é por aí que vem o outro lado da moeda, que é aquilo que tenho vindo a notar como uma anglicização do discurso. De certa forma análoga àquilo que acontece em relação ao castelhano na Galiza (de maneira muito menos abafante, obviamente), reparo que em muitos casos acaba por se favorecer termos e expressões em inglês em detrimento dos mesmos em português e, também, que o inglês já contamina um pouco a própria sintaxe e gramaticalidade.

Pedro é militante do Juventude Comunista Portuguesa e do Partido Comunista Português. Julgas que existam nuances nos relacionamentos dos partidos políticos portugueses com a realidade galega?

Por aquilo de que me vou apercebendo, acho que tanto o conhecimento da realidade galega como a solidariedade para com ela variam bastante entre as e os camaradas, inclusive  alguns com quem já conversei sobre o assunto. Do que conheço, diria que não há propriamente um relacionamento a nível “oficial”/”institucional”, pelo menos da JCP e do PCP, mas sim reside mais em pessoas que individualmente têm mais interesse. Sei que há uma banca do BNG no Espaço Internacional da Festa do Avante. Sei também que, por outro lado, o Bloco de Esquerda tem, no seu portal de notícias e artigos, o esquerda.net, alguns artigos sobre o reintegracionismo; inclusive uma entrevista ao Eduardo Maragoto.

Qual seria a melhor via de mostrar em Portugal a realidade linguística da Galiza?

Repescando um pouco uma resposta anterior, penso que seria útil repensar-se a História e o Português na escola. Virar a História mais para o Mundo e o Português mais para a sua origem e não tanto só para a literatura. Seria também interessante que se continuasse a apostar nas iniciativas conjuntas que vão existindo entre a RTP e a TVG e que, por exemplo, as rádios e televisões portuguesas passassem conteúdos produzidos na Galiza. Agrada-me a ideia da Galiza na CPLP.

Seria também interessante que se continuasse a apostar nas iniciativas conjuntas que vão existindo entre a RTP e a TVG e que, por exemplo, as rádios e televisões portuguesas passassem conteúdos produzidos na Galiza. Agrada-me a ideia da Galiza na CPLP.

Como gostarias que fosse a “fotografia linguística” das relações entre a Galiza e Portugal em 2050?

Gostaria de que tivéssemos mais consciência da nossa irmandade (não só linguística, mas enquanto povos) – numa resposta anterior dizia que ainda vai havendo essa consciência, mas vejo-a quase só nas gerações mais velhas e não sinto que passe muito para a minha. E sendo a língua uma das vertentes dessa irmandade, o reintegracionismo terá um papel fundamental na nossa (re)aproximação.

Conhecendo Pedro Januário:

Um sítio web: A Wikipédia. Revejo-me na ideia de uma plataforma de conhecimento livre, aberta e colaborativa, onde também vou dando os meus contributos.

Um invento: A Máquina de Turing

Uma música: Espelho, Orelha Negra

Um livro: Levantado do Chão, de José Saramago

Um facto histórico: Revolução dos Cravos

Um prato na mesa: A Francesinha

Um desporto: o ciclismo, apesar de não ser muito dado ao desporto.

Um filme: Não sou muito de filmes e, por isso, sinto que não vi nenhum até agora marcante o suficiente para o eleger.

Uma maravilha: O Rio Neiva

Além de português: Comunista

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’

Novidades Através: 50 anos de Abril na Galiza

Lançamento do livro González-Millán, a projeção de um pensamento crítico, em Braga

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’