Salão Nobre da Academia, 14 de Julho de 2016, 15 horas.

Martinho Montero Santalha, Isaac Estraviz e Ângelo Cristovão, académicos correspondentes da Academia das Ciências de Lisboa

Ato de posse em sessão especial sobre “A Língua Portuguesa na Galiza”



aclEm sessão especial sobre “A Língua Portuguesa na Galiza”, que decorrerá no Salão Nobre da Academia, no dia 14 de julho de 2016, pelas 15 horas, sob o alto patrocínio da Academia Galega da Língua Portuguesa, decorrerá o Ato de posse de Martinho Montero Santalha, Isaac Alonso Estraviz e Ângelo Cristovão como Académicos Correspondentes da Academia das Ciências de Lisboa.
O encontro, começará às 15 horas com a intervenção do Presidente da ACL, Artur Anselmo, com uma Saudação à Galiza, seguido do professor Malaca Casteleiro apresentando os novos académicos-correspondentes da Galiza. Será então a ocasião de ouvir os três oradores galegos, finalizando com a intervenção do professor Carlos Reis.

Programa da Sessão “A Língua Portuguesa na Galiza”

–Artur Anselmo, Presidente da Academia: “Saudação à Galiza”
–João Malaca Casteleiro: “Apresentação dos novos académicos-correspondentes da Galiza”
–José-Martinho Montero Santalha: “A Galiza na Lusofonia”
–Ângelo Cristóvão: “Valentim Paz-Andrade e a Academia Galega da Língua Portuguesa”
–Isaac Alonso Estraviz: “Do Návia ao Mondego Semente da Língua Portuguesa”
–Carlos Reis: Língua Portuguesa: “O meu Lar Perdido e Reencontrado

No fim da sessão, o Presidente da Academia das Ciências entregará aos novos académicos da Galiza o diploma de sócio-correspondente.

Os três novos académicos darão continuidade à representação galega na ACL, anteriormente ostentada polos professores Ricardo Carvalho Calero e Ernesto Guerra da Cal, promotores do reintegracionismo linguístico.

A Academia das Ciências de Lisboa é uma das mais antigas instituições científicas de existência contínua. Foi fundada, no dia 24 de dezembro de 1779, durante o reinado de D. Maria I, sob o signo inspirador do verso famoso de Fedro:

   Nisi utile est quod facimus stulta est gloria. (Fábulas III, 17, 12)
   Se não for útil aquilo que fazemos, a glória é vã.

A Academia portuguesa tem participado em diversos eventos da AGLP desde a sua sessão inaugural em 8 de outubro de 2008, mantendo um contato permanente e uma presença regular nos eventos galegos através de João Malaca Casteleiro e outros professores portugueses. Recentemente tomou a iniciativa de solicitar à Academia galega um contributo lexical para ser incorporado à nova edição do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, tarefa encomendada à sua Comissão de Lexicologia e Lexicografia, sob a direção de Ana Salgado.

Não escapa no momento e contexto atual a importância simbólica deste ato de afirmação da lusofonia galega, por parte da histórica e prestigiosa instituição, que não apenas destaca o trabalho dessas três pessoas, mas o de todo o movimento lusófono da Galiza, especialmente proveitoso nas últimas décadas.

+ Mais informações:


PUBLICIDADE

  • Joám Lopes Facal

    Parabéns merecidos aos ilustres correspondentes galegos, é bom Portugal reconhecer a lealdade galega à cultura comum.

  • jot

    Parabéns. É um grande reconhecimento para a Galiza, para a unidade da língua e para tão egrégios defensores delas. Na mente e no coração gostava de ver ainda mais nomes, a começar por Carlos Durão. Ímo-la andando.

  • TerraBeirã

    Ena pá! Parabéns polo trabalho incansável pola língua, os verdadeiros heróis… não os futebolistas… os heróis na sombra…