Leitura Continuada do Scórpio reuniu pessoas de todas as tendências



A Associaçom Galega da Língua (AGAL) valorizou muito positivamente a Primeira Leitura Continuada do Scórpio de Carvalho Calero realizada no Salom Nobre da Universidade de Compostela a 31 de outubro. Para além de juntar cerca de 200 pessoas para ler Carvalho Calero em comunidade, para a AGAL é muito significativo que entre elas houvesse pessoas de todas as cores políticas e tendências ortográficas. A primeira leitura do Scórpio fora suspendida no ano anterior no mesmo dia em que ia ser realizada devido ao encerramento perimetral das cidades galegas pola situaçom pandémica.

leitura-continuada-margarita-carvalhoA AGAL nom queria “deixar de prestar a devida homenagem ao professor Carvalho Calero” que faltara em 2020, e decidiu avançar com a Leitura Continuada junto com outras instituições colaboradoras, entre as quais se encontrava a USC, que cedeu o espaço para a homenagem; o Concelho de Santiago, que presenteou as pessoas participantes com uma ediçom especial numerada do Scórpio, com desenhos de cada narrador/a feitos para a ocasiom por Rosa Cabanas; a Deputaçom da Corunha, que colaborou na ediçom de diferentes materiais, e principalmente a Secretaria Xeral de Política Lingüística, pois foi ao abrigo dum convénio com esta instituiçom que foi organizado o evento. Em declarações a este meio realizadas por Eduardo Maragoto, presidente da AGAL, o consenso gerado em torno a este ato e em torno a Carvalho é mais uma prova da sua centralidade: “Carvalho é o pai do galego moderno, seja qual for a dimensom que dermos a este galego. O que atualmente estudamos nas escolas tem origem na gramática que escreveu nos anos 60 e, no início dos anos 80, foi ele que escreveu o primeiro livro do que se conhece como galego reintegrado”.

Ao longo do dia foram lidos 251 trechos do romance que fôrom acrescentados aos 99 primeiros que foram já lidos na vez anterior em vídeo. As primeiras leituras fôrom realizadas polas irmãs Carvalho-Calero Ramos.

Ao longo do dia foram lidos 251 trechos do romance que fôrom acrescentados aos 99 primeiros que foram já lidos na vez anterior em vídeo. As primeiras leituras fôrom realizadas polas irmãs Carvalho-Calero Ramos, seguidas do presidente da AGAL Eduardo Maragoto, o SXPL Valentín García e a Secretária de Património Cultural Maria del Carmen Martínez, a concelheira Mercedes Rosón, o deputado provincial Xurxo Couto, o decano de Filologia Elias Torres, três netos de Carvalho Calero do autor e vários dirigentes políticos partidários, quer a nível autonómico quer municipal: Paula Prado, Borja Verea (PP), Néstor Rego, Mercedes Queixas, Goretti Sanmartín (BNG), Mercedes Rosón (PSOE), Marta Lois (Compostela Aberta), entre outros e outras. Também vinhérom ler o seu trecho diferentes estudiosos de Carvalho Calero (Bernardo Penabade, Xosé Ramón López Boullón, Maria Pilar Garcia Negro, Xosé Maria Dobarro, etc.) e numerosas pessoas vinculadas às letras galegas: Susana Arins, Quico Cadaval, Carlos Meixide, Patrícia de Lorenzo, Charo Lopes, Isabel Risco, Marilar Aleixandre, Vicente Moedano, Isabel Pichel e Félix Rodal, a quem correspondeu a honra de fechar o evento.


Avaliaçom da leitura

O sucesso da leitura já conseguiu que a AGAL esteja a estudar a possibilidade de realizar atos iguais ou semelhantes nos próximos anos, vinculados ao autor ferrolano, mas alternando diferentes obras e locais de leitura. Para a associaçom reintegracionista, eventos deste tipo som importantes nom só para promover o treino da leitura com ortografia galego-portuguesa, senom a leitura em si mesma nestes tempos em que só parecem caber a imagem e a pressa.


PUBLICIDADE