Partilhar

Lançamento do livro de Leandro Lamas em Neda

O evento decorrerá a próxima sexta-feira, dia 31 de março, às 19:30h na Casa da Cultura do Concelho de Neda (Avenida de Algeciras, nº61). O pintor, Leandro Lamas, estará acompanhado por Séchu Sende e Charo Lopes, responsáveis da ediçom junto com Xiao Berlai.

A edição do livro, publicado pola Através Editora, correu da mão de Séchu Sende, Xiao Berlai e Charo Lopes, pessoas encarregadas de traçar um percurso, veiculado através duma alargada entrevista com o autor, e de compilar boa parte da sua obra. Recolhem-se fotografias atuais e arquivo biográfico do pintor, assim como uma ampla seleção de reproduções, das obras mais icónicas até material desconhecido.

Recolhem-se fotografias atuais e arquivo biográfico do pintor, assim como uma ampla seleção de reproduções, das obras mais icónicas até material desconhecido.

Estruturado em blocos temáticos, combina contributos de diferentes pessoas ligadas ao pintor, e contribui -sendo a primeira publicação monográfica sobre a sua obra- a divulgar um autor cujo trabalho é já parte da iconografia dos movimentos sociais galegos. Desinteressado polos circuitos mais restritos e snobes do campo das artes plásticas, Leandro subverte as regras da arte, questionando as hierarquias entre produtos culturais, encurtando as diferenças entre arte e artesanato.

Através dumas linhas suaves e duma intensa policromia, achega-nos representações insubordinadas. Um imaginário de personagens serenas e fortes, amáveis e combativas. Um autor prolífico que através dos seus traços, marca a plástica contemporânea da Galiza.

Sobre o autor

Leandro Lamas | charo lopes

Leandro Lamas (Narom, 1973) começa a experimentar com a pintura desde muito novo, dando os seus primeiros passos com a ilustração e a banda desenhada na escola. Estuda delineação, mas não deixa de desenvolver os seus traços particulares, assim como alimentar as suas referências plásticas, com importância das formas e iconografia de tradição galega. Aproxima-se também do ativismo, e aproveita a sua faceta criativa para oferecer materiais gráficos para os movimentos sociais da sua comarca e, posteriormente, de todo o país. Em 1995 ilustra a História da Galiza em Banda Desenhada. Realiza algumas exposições e participa em publicações coletivas. Explora diferentes técnicas, como murais, mas foca-se no óleo sobre tela e na aquarela como técnicas principais. Ilustra material gráfico, livros e capas para discos musicais. A sua obra populariza-se e é levada a objetos diversos: hoje pode-se encontrar um Leandro Lamas tatuado no braço de alguém, ou ilustrando uma caixa de bolachas. Trabalha realizando encomendas pessoais e o grosso da sua obra espalha-se entre particulares. Também se aproxima das artes cénicas, como dramaturgo, escrevendo e envolvendo-se em coletivos teatrais, como diretor, cenógrafo e ator.

Conversa arredor da obra “Porque caiu a Galiza” de José Manuel Barbosa em Carvalho

Marinha Area: “‘Castrapo’ só vem para nom dizer a palavra tabu: substituiçom linguística”

Pablo Pesado: “o tabu central do sistema cultural galego é a independência nacional”

Susana Sanches Arins apresenta Cinco Corujas na livraria Paz de Ponte Vedra

Lançamento do livro O nosso Porto no Casino 1889 de Carvalho

Risoto de salmão afumado

Conversa arredor da obra “Porque caiu a Galiza” de José Manuel Barbosa em Carvalho

Marinha Area: “‘Castrapo’ só vem para nom dizer a palavra tabu: substituiçom linguística”

Pablo Pesado: “o tabu central do sistema cultural galego é a independência nacional”

Susana Sanches Arins apresenta Cinco Corujas na livraria Paz de Ponte Vedra