Partilhar

Guido Álvarez: “O galego é umha riqueza, umha emoçom. Continuemos falando-o muitos milénios mais”

Guido Álvarez Parga tem 36 anos. É guia turístico e professor na UNED. Assegura que sempre tivo conexom com o galego, mas foi mudando o seu uso progressivamente. “Passei de falá-lo menos de 50% a ser o meu idioma comum”, assegura. “O galego é a língua que me fai vibrar, que me emociona“, engade.

Lembra que na sua família o ambiente era mais castelhano-falante e na escola “ainda mais”.Foi no âmbito universitário onde mais se impulsionou o meu amor polo galego”, assinala. Di ter muitos motivos para falá-lo; “o primeiro é o das emoçons e o que significa para nós a injustiça de línguas maltratadas pola história, como é o galego”. “Trata-se dumha defesa cultural e identitária do nosso que temos que preservar”, insiste.

[Este conteúdo foi publicado originariamente em neofalantes.gal]

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’

Novidades Através: 50 anos de Abril na Galiza

Lançamento do livro González-Millán, a projeção de um pensamento crítico, em Braga

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’