Partilhar

“Galego de todo o mundo” reivindica Delgado Gurriarán

“Galego de todo o mundo”, o programa de Nós Televisión que conduz Eduardo Maragoto, dedicou a última emissom a reivindicar a figura do escritor Florencio Delgado Gurriarán, lembrando que se trata de mais um autor de ideias reintegracionistas a que se rende tributo no da grande da cultura galega.

Na última década temos tido a possibilidade de homenagear vários autores de ideias reintegracionistas nas Letras Galegas. 5 de 10 desde 2012:

2012, Valentim Paz Andrade: Um dos precursores do reintegracionismo moderno. Com toda a justiça, a Lei que reconhece os vínculos históricos do português com a Galiza leva o seu nome.
2016, Manuel Maria: sócio da AGAL e um dos primeiros escritores com obra em reintegrado.
2017, Carlos Casares: defendeu a aproximaçom gráfica ao português nos últimos anos.
2020, Carvalho Calero: a figura mais destacada do reintegracionismo e uma das mais importantes do galeguismo do século XX.

Este ano 2022 é a vez do poeta valdeorrês Florencio Delgado Gurriarán, um escritor mui preocupado  com o qualidade do galego que entre os anos 1978 e 1980 fijo declarações muito explícitas em prol da aproximaçom entre galego e português, como esta de 1980 dada a conhecer polo escritor e divulgador da sua obra Séchu Sende.
“Penso, como Carballo Calero, Paz Andrade, Rodríguez Lapa e moitos máis, que a salvazón do galego como lingua de cultura está no achegamento ás variantes irmás xa cultivadas, sen perder, non faltaba máis, a nosa enxebreza”

“Penso, como Carballo Calero, Paz Andrade, Rodríguez Lapa e moitos máis, que a salvazón do galego como lingua de cultura está no achegamento ás variantes irmás xa cultivadas, sen perder, non faltaba máis, a nosa enxebreza”

Segundo Maragoto, “dar a conhecer estas opiniões é importante, […] porque fôrom realizadas nos últimos anos da sua vida, depois de dedicar grande parte da sua obra à reflexom linguística”.

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”