Partilhar

Épica no âmbito educativo: Burela foi capital do diálogo entre culturas

A leitura pública do ‘Chiquinho’ durante 8 horas reuniu mais de 200 pessoas

“A leitura do Chiquinho é um importante estímulo para os estudantes; uma forma prazenteira e única de dar a conhecer a obra literária em si, a riqueza da identidade e a cultura do povo cabo-verdiano, e que a literatura cabo-verdiana tão bem retrata”.
Com estas palavras, Ney Cardoso – embaixador de Cabo Verde – encerrou uma jornada autenticamente épica. Desta vez foi a épica do século XXI: a do diálogo como via para alcançar a igualdade de oportunidades. Os obstáculos e resistências a uma iniciativa destas características começaram a ser vencidos desde o momento em que era apresentado o programa do I Dia da Literatura Cabo-Verdiana. Desde o dia 8 de fevereiro o processo dinamizador estava em andamento e conseguia o propósito fundamental: aglutinar; fortalecer a coesão. A resposta transcendeu a comunidade educativa e foi contundente: a sociedade quer e defende a igualdade de oportunidades.

Neste 2023 cumpre 75 anos a primeira grande obra narrativa da literatura de Cabo Verde. Trata-se de Chiquinho, um romance escrito por Baltasar Lopes da Silva que viu a luz em 1947. A obra marcou o inicio da literatura cabo-verdiana, cobrindo temas locais e da cultura crioula. Com este motivo, Burela acolheu a celebração do primeiro ‘Dia da Literatura Cabo-verdiana’. A partir das dez da manhã começou na biblioteca do IES Perdouro uma leitura continuada do Chiquinho a cargo de duzentas pessoas, entre as que se estavam os alunos e alunas do centro. Na inauguração participaram uma estudante –Noemy dos Reis Cardoso Borges-, a professora de Língua Portuguesa –Vanesa Vila Verde-, o alcaide de Burela –Alfredo Llano– e a Conselheira da Embaixada de Cabo Verde, Odete Alves.

Na inauguração participaram uma estudante –Noemy dos Reis Cardoso Borges-, a professora de Língua Portuguesa –Vanesa Vila Verde-, o alcaide de Burela –Alfredo Llano– e a Conselheira da Embaixada de Cabo Verde, Odete Alves.

Noemy Cardoso, aluna que abre a leitura Cabo-Verdiana, Maria José Pardinhas, diretora do IES Perdouro, Alfredo Llano, alcaide de Burela, e a professora de português, Vanessa Vila Verde.

O projeto de intervenção educativa Modelo Burela destaca que “por primeira vez na história, a mais universal das crianças cabo-verdianas falou em público no seu idioma próprio: o cabo-verdiano, resultado da síntese do galego-português e das línguas africanas dos povoadores do arquipélago”.
As palavras do discurso foram preparadas para a ocasião por Edilson Sanches Tavares, estudante de Línguas Modernas na Universidade de Santiago, e por Noemy dos Reis Cardoso Borges, a estudante encarregada de abrir o encontro pondo voz a esse fragmento.

Por oito horas Burela foi “a capital cultural da expressão galego-lusófona”. Após as leituras de Odete Alves e de Alfredo Llano, participaram um grupo de alunos e alunas do IES Marco de Camballón e o seu professor Séchu Sende. Depois de um descanso aproveitado para tirar fotografias comemorativas e para gravar um programa para o Zig-Zag Diario, da TVG, foram retomadas as leituras com a participação da politóloga Susana Basanta; de Natalia Irimia, coordenadora do Equipo de Dinamização Linguística do IES Perdouro; e do professor Lourenço Gomes, da Universidade de Cabo Verde, que falou através de uma videoconferência.

Através de vídeos também foi ouvida a voz de Christian Salles, do Rio de Janeiro, um historiador brasileiro muito ativo nas redes de comunicação no espaço galego-lusófono, e também a da professora e escritora Laura Ramos Cuba, formada nas aulas do IES Perdouro.

Francisco Pereira, deputado do PAICV, com Rocio Rivera Seara, da A. C. Ledicia.

Não faltou o almoço de irmandade, preparado por Fernando Quelle Cordido e servido no bar da escola. Estudantes e docentes acompanharam na mesa dois convidados especiais: Francisco Pereira, político cabo-verdiano; e Anja, investigadora holandesa especializada no estudo das migrações.

Um dos momentos mais especiais teve lugar às três da tarde, quando o Chiquinho reuniu na mesma mesa duas autoridades da cultura em Burela: Rocío Rivera Seara, da Associação Cultural Ledicia, e Antonina Semedo, uma das fundadoras de Batuko Tabanka.

As dinamizadoras culturais Rocío Rivera, Antonina Semedo -uma das fundadoras de Batuko Tabanka- e a aluna Noa Castro.

Entre as últimas pessoas que participaram na leitura, sendo encarregadas portanto de ler as últimas páginas do livro, estiveram a futebolista Jozie, do Burela FS; e em representação da USC as professoras Helena González, Felisa R. Prado e Elias Torres, decano da Faculdade de Filologia.

As três últimas leituras e intervenções corresponderam a María José Pardiñas, diretora do IES Perdouro; a Francisco Pereira, deputado do Parlamento de Cabo Verde, que viajou expressamente a Burela para participar nesta celebração; e ao Excelentíssimo Sr. Ney Cardoso, embaixador de Cabo Verde, que se conectou via videoconferência e que alentou o professorado a investir no futuro dos jovens cabo-verdianos “porque é investir no futuro da coletividade”.

Depois da repercussão e emotividade da jornada, tanto o deputado Francisco Pereira como o advogado de Modelo Burela destacaram uma cita de Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, na Guarda

Sergio Rey, do IES de Cacheiras, ganha o “I Prêmio Escolar Internacional de Livros de Cordel”

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha