A GALIZA COMO TAREFA

De fora



divina-commedia-paradiso-c-xxviii-gravado-de-tommaso-piroliRefugio-me na casa e em pequenas cousas. No silêncio da leitura ou no ruído das ferramentas domésticas. Entretenho-me na observação direita da realidade próxima. A caminho do trabalho, nos pequenos trânsitos do que-fazer e abastecimentos quotidianos. Limito-me a sentir a vida por perto, os cheiros, a mudança de luz e cores rebentando na nova estação.

Ando a contemplar a gente arredor. Ouço as conversas daqueles com que compartilho espaços ou trajetos. Há pouco eram umas, hoje outras, sempre a ritmo do que marquem os média como urgente, prioritário. Digo tudo bem, dou a razão sem qualquer pudor, a qualquer cousa e a cada pessoa. Encolho os ombros e fujo discretamente. Apaguei as redes sociais.

Vou ao trabalho. Tou nele o tempo que me requerem. Deixei de dar voltas, de opinar, de tratar de procurar sentido às ferramentas eletrónicas a dispor, ou a pensar em aprimorar os processos, criticar construtivamente ou procurar melhoras. Executo as funções que me encomendam. Pronto. E volto para casa.

Tenho as tardes para mim, para estudar, passear e tomar umas cervejas com as amizades, os filhos ou a família, para conversar. Procuro pensar em cousas que me interessem, trato de pensar em proximidade. No que há perto e arredor. No que chama a minha atenção. Mas diria que não me deixam.

Os não capitalistas acho que sobramos neste mundo. Nomeadamente porque consumimos mal e a destempo. Porque somos críticos com os trabalhos absurdos e sistemas de produção e organização, com as arbitrariedades constantes. Porque não gostamos de perder tempo nem de assumir como direito o que vemos abaladiço e tremendo após o choque e realidade frágil que evidenciou a Pandemia. Porque somos impermeáveis às recomendações publicitárias e hostis as sugestões da propaganda. Porque nos duram os objetos e os interesses para além das suas modas e obsolescências programadas.

É a primeira vez que percebo a Guerra, os seus subprodutos e personagens de ação como simples objetos de propaganda informativa desenhados para consumos massivos. Posicionar-se é um show e a informação um produto. Desliguei no possível. Não consumo informação, nem outros produtos pensados para gasto imediato e maciço.

É a primeira vez que percebo a Guerra, os seus subprodutos e personagens de ação como simples objetos de propaganda informativa desenhados para consumos massivos. Posicionar-se é um show e a informação um produto.

 

Sinto-me muito de fora da atualidade e das correntes que vejo arredor. Do que se movimenta. Parece-me absurdo terceirizar o pensamento, deixar em mãos de outros a responsabilidade da interpretação e até da olhada, as decisões sobre o que é, ou não, importante, prioritário.

O que eu procuro é usar os olhos e a própria lógica para decidir que quero consumir, e em que quero ocupar o tempo. Decidir que é que está a atrair a minha atenção e que não. Ou mais simplesmente enxergar onde os olhos vão, não onde me indicam.

 

Un punto vidi che raggiava…

Ernesto V. Souza
Latest posts by Ernesto V. Souza (see all)

Artigos relacionados:


PUBLICIDADE