Partilhar

Bacalhau dourado (ou à portuguesa)

O bacalhau dourado é um prato típico de Portugal que a minha mãe fazia aos fins de semana na aldeia da Baixa Limia. Não somos portugueses, mas por poucos quilómetros! Pode ser que a receita não seja muito ortodoxa, mas asseguro-vos de que está muito bom: vale a pena ter o trabalho de demolhar o bacalhau e aguenta bem dois ou três dias no frigorífico, ainda que o melhor seja comê-lo acabado de fazer.

Pode-se usar bacalhau às postas ou em lascas, mas sempre salgado, que é o que lhe vai dar esse toque especial.

Ingredientes:

750 g de bacalhau salgado

750 g de batatas cortadas às rodelas finas

300 ml de óleo de girassol

2 ou 3 ovos

1 cebola bem grande

100 g de farinha

Pimenta a gosto

  1. Para demolhar o bacalhau, temos que começar 72 horas antes. Enchemos uma taça com água e pomos lá o bacalhau, certificando-nos de que fica totalmente mergulhado. A cada 12 horas (pela manhã e pela noite, digamos) mudamos-lhe a água.
  2. Aquecemos o óleo de girassol numa frigideira e fritamos as batatas durante 5 ou 10 minutos, até que estejam douradas por fora e duras por dentro.
  3. Panamos o bacalhau e fritamo-lo brevemente para selá-lo dos lados, não é preciso que coza por dentro.
  4. Cortamos a cebola em rodelas finas. Com o lume baixo e um pouco de óleo, fritamo-las até que fiquem douradas.
  5. Num tabuleiro grande colocamos uma camada de batatas, sem as amontoar. Depois juntamos uma camada de cebola e o bacalhau. Como é muito salgado, não é preciso pôr-lhe sal, só um pouco de pimenta, se quiser.
  6. Batemos os ovos e cobrimos o conteúdo do tabuleiro com eles.
  7. Com o forno a 170º deixamos assar durante 20 ou 30 minutos, até que o ovo solidifique. Et voilà!

Pode acrescentar salsa e azeitonas pretas.

Podes encontrar esta receita, e muitas outras receitas deliciosas, no sítio web asreceitasdexiana.com. Se gostas, podes segui-la também no Instagram e X. Bom proveito!

A campanha de dinamizaçom da língua, #aquitaménsefala alarga-se por dúzias de centros de ensino

Divulgação das “Vozes Femininas de Angola e Moçambique” na Faculdade de Filologia da Universidade da Corunha entre 11 e 21 de Dezembro

“A nossa música tradicional está muito viva”

Pastéis de bacalhau

Alba Blanco, 21 anos: “O único galego mal falado é o que não se fala”

A Ukestra do Medio abre o 1º Potemfest em Compostela

A campanha de dinamizaçom da língua, #aquitaménsefala alarga-se por dúzias de centros de ensino

Divulgação das “Vozes Femininas de Angola e Moçambique” na Faculdade de Filologia da Universidade da Corunha entre 11 e 21 de Dezembro

“A nossa música tradicional está muito viva”

Pastéis de bacalhau