Partilhar

“As intervenções monárquicas na toponímia galego-portuguesa”, em Compostela

No marco das Jornadas “A língua e o Reino, entre Compostela e Braga”, impulsionada pola Rede da GaliLusofonia, hoje, 17 de janeiro às 19:30h, decorrerá na Escola Oficial de Idiomas de Compostela, a palestra “O nome dos lugares: as intervenções monárquicas na toponímia galego-portuguesa”, em que falará o professor titular de Literatura Galega da Universidade de Vigo, Gonzalo Navaza, especialista em toponímia.

O evento também se pode seguir ao vivo por streaming aqui.

Esta charla é a primeira atividade dumha série de eventos que decorrerám entre janeiro e maio, organizadas pola Rede da GaliLusofonia (uma rede para juntar esforços e cooperar na difusão de iniciativas encaminhadas a fomentar a nossa língua e cultura comuns no seu espaço natural) e a Deputación da Coruña, com atividades entre as cidades de Compostela e de Braga.

O próximo dia 31 de janeiro, às 19.00h, no Centro Sociocultural de Vite, decorrerá a atuaçom de teatro “Terra de Rainhas, com Os Quinquilláns. A vida quotidiana do século XIII e os conflitos da sucessão dinástica de Afonso VIII em favor de Sancha e Aldonça.”

Em fevereiro, o dia 18, na Casa do Conhecimento de Braga (Largo do Paço), haverá umha jornada sobre o Reino da Galécia, com abertura às 9.30h. e umha série de palestras:
◦ 10h. Palestra: Inês de Castro, a política e a lenda, com Alicia Díaz Balado, professora da Universidade de
Santiago de Compostela e escritora.
◦ 10.45h. Palestra: Estratégias para a restauração da unidade galego-portuguesa na Baixa Idade Média, com Francisco Rodríguez Sánchez, estudioso e investigador da realidade galega: história, crítica literária e sociolinguística.
◦ 11.30h. Café.
◦ 12h. Palestra: Os suevos e a construção do primeiro reino germânico do Ocidente, com Luís Amaral, professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, especializado em História Medieval de Portugal.
◦ 14.45h. Visita guiada à Sé e à Capela dos Reis e São Martinho de Dume e São Frutuoso, com Luis Fontes, arqueólogo da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho.
◦ 18h. Concerto de Xoan Curiel com a arpista Bleuenn Le Friec: “Treides comigo!”.
Proposta musical a partir de cantigas medievais galaico-portuguesas.

Também em fevereiro, mas em Compostela, o dia 28, às 19.30h, na EOI de Santiago, está programada a palestra: A plena normalidade da língua galego-portuguesa na Baixa Idade Média, com Francisco Rodríguez Sánchez, estudioso e investigador da realidade galega: história, crítica literária e sociolinguística.

Em março, o dia 14, às 17:30h, na Catedral de Santiago, decorrerá a visita guiada: Uma catedral para um reino, com Ramón Yzquierdo Peiró, Diretor técnico – Conservador do Museo da Catedral. E o dia 28 de março às 19.30h, na EOI de Santiago, será a palestra: Lírica galego-portuguesa, a poesia de um reino, com Mariña Arbor, filóloga, investigadora e professora na Universidade de Santiago.

Em abril, o dia 18, às 20:30h, no Riquela Club de Compostela decorrerá o concerto de LaMontagne & PicoAmperio. Música medieval galaico-portuguesa, ambiente hip-hop e poesia.

Já no mês de maio, o dia 2, às 19:00h, no Castelo da Rocha Forte (Compostela), será a visita guiada: Castelo da Rocha Forte, Do controle do território à revolta, com Mario César Vila, doutor pela
Universidade de Santiago, a sua atividade pivota entre a gestão e a difusão de projetos culturais, do património e a arqueologia.

Aberto prazo de pré-inscrições para os cursos aPorto 2024

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Aberto prazo de pré-inscrições para os cursos aPorto 2024

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico