Partilhar

Arrival: neste 25 de julho, os tempos som chegados

 

Como cada ano, desde há oito, a nossa associaçom aproveitará a jornada festiva do 25 de julho para repartir gratuitamente o Fest-AGAL, o jornal da AGAL que se distribui no dia da festa Nacional. Nesta ocasiom, o leitmotiv será o famoso filme hollywoodiano de ficçom científica que no ano passado se debruçou sobre os mistérios da comunicaçom com alienígenas, enormes cefalópodes doutras galáxias.

Quanto a nós, para a distribuiçom do nosso boletim anual, este ano contaremos com a ajuda de cientistas chegad@s diretamente do filme Arrival (A Chegada), depois da turné planetária que se encarregou de desvendar polo mundo inteiro que a língua portuguesa nasceu no esquecido Reino da Galiza. Fardad@s com os mesmos trajes que lhes permitírom penetrar nas espaçonaves extraterrestres, @s melhores linguistas do mundo aterrarám agora em Compostela para revelar entre @s indígenas o valor gráfico, fonético e comunicativo do cê-cedilhado (Ç).

Na comitiva científica, além de linguistas com grande reputaçom, participarám muitos membros da família agálica, vestidos com camisolas comemorativas da descoberta feita ao mundo pola filóloga americana Louise Banks nos primeiros minutos do filme.

Com mais ciência que ficçom, será um dia de múltiplas chegadas: naves espaciais, alienígenas, cientistas das melhores universidades, e tempos, novos tempos para a nossa língua, cada vez mais galáctica.

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”