Partilhar

Apresentação conjunta de Ainda invisíveis? De Lorena Lopez e A defunción dos sexos, de Daniela Ferrández em Barcelona

Ainda Invísíveis? Narradoras e margens na literatura galega contemporânea de Lorena López López e umha das últimas novidades da Através, e apresentara-se na próxima sexta-feira dia 17 de março às 18:30h na livraria La Raposa. Será junto A defunción dos sexos, de Daniela Ferrández publicado por Xerais também em 2022.

Deste modo, haverá diálogo entre as duas obras e escritoras, quem compartilham muitas perspectivas críticas no seu trabalho, especialmente por meio das questões de género.

Cumpre destacar que será com o apoio de Estudis Gallecs i Portuguesos da Universitat de Barcelona (UB), quem convidou as duas autoras e também organiza umha aula aberta na cadeira “Fantasia, humor i subversió. De Castelao a Manuel Rivas” da Universidade de Barcelona, na segunda-feira dia 20 de março, às 11h

Em Ainda invisíveis? Narradoras e margens na literatura galega contemporânea, a filóloga e poeta Lorena López explora a escrita de quatro autoras atuais e os pontos cegos dos quais estas se (in)visibilizaram no nosso campo literário. Indo além de rótulos como “literatura feminina” ou “literatura feminista”, atende-se nesta obra às interseções entre género, nação, violência, fantasia… Como indica no seu prólogo Helena González, “Lorena López, no que já foi tese e agora é livro, percorre a obra de [Margarita] Ledo, [Patricia] Janeiro, [Cris] Pavón e [Teresa] Moure para verificar que no ponto cego há modelos ficcionais, personagens marcadas pela sexualidade e pelo género, representações da nação e conceções autorais que dialogam com as práticas de resistência cultural deste presente. Nenhuma escritora é igual à outra e, no entanto, todas compartilham um foco claro na ideologia e na forma literária”.

Em Ainda invisíveis? Narradoras e margens na literatura galega contemporânea, a filóloga e poeta Lorena López explora a escrita de quatro autoras atuais e os pontos cegos dos quais estas se (in)visibilizaram no nosso campo literário. Indo além de rótulos como “literatura feminina” ou “literatura feminista”, atende-se nesta obra às interseções entre género, nação, violência, fantasia…

Rubén Chapela Orri

Lorena López López (O Páramo, 1983) é licenciada em Filologia Galega pola Universidade de Santiago de Compostela e concluiu a sua tese de doutoramento na Universidade de Bangor (País de Gales), onde trabalhou durante vários anos como leitora de galego e espanhol. De volta à Galiza, trabalhou como professora de língua e literatura galega. Assinando como Lorena Souto, publicou os livros de poesia Fase de trema (Prémio Xosemaría Pérez Parallé, 2011) e Coleópteros (Prémio Leiras Pulpeiro, 2017).

A defunción dos sexos: disidentes sexuais na Galiza contemporánea é un livro divulgativo que recompila histórias e memórias de pessoas que viviram além da norma sexual na Galiza dos últimos cento cinquenta anos. Através de fontes de arquivo e jornalísticas reflexiona-se sobre algúns dos itinerários que estas pessoas tiveram que percorrer e o seu enfrontamento com o jugo dumha sexualidade obrigatória que as condenava às margens e ao ostracismo.

charo lopes

Nada no País Valencià, Daniela Ferrández Pérez (Almoradí, 1988) é galega de adopçom desde o ano 2011. Doutora em História Contemporánea pola Universidade de Santiago de Compostela (2020), investigou sobre questões como a violência política do franquismo, o clientelismo político, e o feminismo e os partidos políticos na “Transición”. Paralelamente, implicou-se, junto com a sua família, no ativismo pola memoria histórica na procura dos restos do seu bisavó, fuzilado polo franquismo em Alacant em 1941.Como mulher trans, leva vários anos envolvida no ativismo LGBT galego, principalmente na asociaçom Amizando. Na atualidade é investigadora posdoutoral adscrita ao grupo Histagra da USC.

Conversa arredor da obra “Porque caiu a Galiza” de José Manuel Barbosa em Carvalho

Marinha Area: “‘Castrapo’ só vem para nom dizer a palavra tabu: substituiçom linguística”

Pablo Pesado: “o tabu central do sistema cultural galego é a independência nacional”

Susana Sanches Arins apresenta Cinco Corujas na livraria Paz de Ponte Vedra

Lançamento do livro O nosso Porto no Casino 1889 de Carvalho

Risoto de salmão afumado

Conversa arredor da obra “Porque caiu a Galiza” de José Manuel Barbosa em Carvalho

Marinha Area: “‘Castrapo’ só vem para nom dizer a palavra tabu: substituiçom linguística”

Pablo Pesado: “o tabu central do sistema cultural galego é a independência nacional”

Susana Sanches Arins apresenta Cinco Corujas na livraria Paz de Ponte Vedra