AGAL homenageará o seu grupo fundador a 19 de dezembro



Coincidindo com o 40 aniversário da assembleia em que foi eleito o seu primeiro Conselho, presidido por Xavier Alcalá, a AGAL homenagerá o seu grupo fundador no próximo dia 19 de dezembro, que voltará a calhar em domingo, como há 40 anos, num dia que se prevê tam longo como emotivo.

Apresentaçom da AGAL na Corunha a 20 de novembro de 1981. Da direita para a esquerda: Xavier Alcalá, António Gil, José-Martinho Montero Santalha e José Maria Monterroso Devesa.

Apresentaçom da AGAL na Corunha a 20 de novembro de 1981. Da direita para a esquerda: Xavier Alcalá, António Gil, José-Martinho Montero Santalha e José Maria Monterroso Devesa.

Os eventos começarám com uma assembleia ordinária da AGAL que dará começo, como há 40 anos, às 10h30, no mesmo Centro Dom Bosco que juntara, naquele dia, mais de 50 pessoas, entusiasmadas polo convencimento de que estavam a assistir a um evento que logo iria mudar o rumo da língua. Nom foi assim imediatamente, mas a fundaçom da AGAL deu início ao movimento reintegracionista e à prática escrita congruente com essa postura.

A proposta do Conselho, a assembleia votará a nomeaçom como sócios de honra dos professores José Luís Rodríguez, José-Martinho Montero Santalha e Isaac Alonso Estravis, fundadores e ainda ativíssimos navegantes do mais antigo barco reintegracionista.

Seguidamente, no exterior do centro, no logradouro existente na confluência da calçada de Sam Pedro com a de Santo António, vai ser exibida uma placa em que será lembrado o ano da fundaçom da AGAL e em que aparecerám referidas as cerca de 40 principais pessoas promotoras da associaçom entre maio e dezembro de 1981, quando a AGAL deu os seus primeiros passos com 94 sócios e sócias. Ao ato serám convidadas diferentes coletivos e instituições em reconhecimento da importância histórica desse momento.

Vai ser exibida uma placa em que será lembrado o ano da fundaçom da AGAL e em que aparecerám referidas as cerca de 40 principais pessoas promotoras da associaçom entre maio e dezembro de 1981.

A seguir, as pessoas participantes voltarám ao interior do centro, onde, no quintal, será enterrada uma cápsula do tempo em que cada um/a dos e das presentes poderá deixar um texto em que avaliará a situaçom da língua em 2021 e a sua previsom para 2081, momento em que a cápsula poderá ser aberta de novo, quando a AGAL fizer 100 anos.

Será enterrada uma cápsula do tempo em que cada um/a dos e das presentes poderá deixar um texto em que avaliará a situaçom da língua em 2021 e a sua previsom para 2081, momento em que a cápsula poderá ser aberta de novo, quando a AGAL fizer 100 anos.

O dia continuará com um jantar em que tomarám a palavra diferentes sócios e sócias fundadoras em lembrança daquele momento e em reconhimento do magistério e liderança exercida ao longo de toda a sua vida por José Luís Rodríguez, José-Martinho Montero Santalha e Isaac Alonso Estravis.

O processo de fundaçom da AGAL foi impulsionado por um numeroso grupo de jovens, muitos deles discípulos de Carvalho Calero, entre os quais destacárom, por participarem nas reuniões prévias ou por fazerem parte da comissom fundacional e da gestora: Xavier Alcalá, José Luís Rodrigues, Aracéli Herrero, Xosé Ramón Pena, José Martinho Montero Santalha, Maria do Carmo Henríquez Salido, Joám Trilho, X. Rodríguez Baixeras, António Gil, José Maria Monterroso Devesa, Joám Carlos Rábade Castinheira, Joaquim Campo Freire e Manuel Miragaia Doldám. Alguns iriam desvincular-se da associaçom logo no ano seguinte, mas, quarenta anos depois, surpreende como uma parte importante daqueles primeiros 94 sócios e sócias nom só se mantivérom fiéis à causa lusista, como também continuárom a funcionar como o coraçom de muitos projetos reintegracionistas.

 


PUBLICIDADE