Partilhar

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Em 2023, a Mesa tramitou 1.129 expedientes perante entidades públicas e privadas em defesa do direito de utilização do galego

Marcos Maceira, presidente da Mesa de Normalización Lingüística, e Soledad Agra, Deputada para a Língua da Deputación Provincial da Corunha, apresentaram na semana passada em Compostela o relatório anual da Linha Galega correspondente a 2023. Segundo este relatório, ao longo do ano passado, a entidade de defesa linguística tramitou um total de 1129 processos, através de chamadas, emails e da aplicação Linha Galega, dos quais 650 foram consultas, 29 foram felicitações e 450 foram reclamações.

Destas queixas, a grande maioria foi motivada por discriminação e exclusão linguística (28%) e por toponímia deturpada (25%). Uma secção onde as reclamações crescem ano após ano é a referente à utilização do galego na web e nos serviços online, que ao longo de 2023 representou 22% das reclamações recebidas pela Linha Galega. O estabelecimento da vida digital leva as pessoas de língua galega a perceberem que os seus direitos linguísticos são regularmente vulnerados nestes serviços online.

Na apresentação do relatório, o presidente da Mesa, Marcos Maceira, lembrou que A Liña do Galego é o único serviço gratuito oferecido na Galiza para consultas, reclamações e felicitações e que neste momento só conta com a colaboração do Conselho Provincial da Corunha, cujo empenho se destacou pelo absentismo das suas obrigações do Governo galego. “A acção da Linha Galega é reconhecida ano após ano nos relatórios da Valedora do Povo ao Parlamento da Galiza como fundamental para resolver positivamente parte das reclamações de motivação linguística recebidas pela instituição”, lembrou, e serve para documentar reclamações internacionais como as apresentadas no Conselho da Europa ou na ONU.

Maceira sublinhou que 41% das reclamações dirigidas à administração recebidas recaem sobre a administração autónoma galega, “evidenciando os retrocessos que o governo Xunta está a dar nos últimos anos em relação à promoção da língua galega na administração e no respeito pela os direitos linguísticos da cidadania”. “Quem mais deveria fazer cumprir a legislação que protege e protege a língua galega é precisamente quem mais a incumpre e vulnera”, lamentou o presidente da Mesa.

Das reclamações dirigidas à administração autónoma galega, quase metade são dirigidas à Conselharia de Sanidade (38% do total), enquanto a Conselharia de Educação recebeu significativos 15%. O relatório destaca ainda o aumento significativo de reclamações recebidas pelas três universidades galegas, por impedirem ou dificultarem aos estudantes a realização de trámites em galego.

A administração geral do Estado recebeu 34% das reclamações, o que – na opinião de Maceira – mostra que “as pessoas que utilizam a Linha Galega estão cada vez mais conscientes de que os seus direitos linguísticos ultrapassam as fronteiras galegas e que, por isso, o governo do Estado deve também cumprir suas obrigações linguísticas.” A maior parte destas reclamações são dirigidas ao Ministério dos Transportes e Mobilidade Sustentável, devido à deturpação dos topónimos galegos na sinalização rodoviária e à ausência de atenção oral e escrita em galego por parte da Renfe e da Adif. Existem também inúmeras reclamações dirigidas ao Ministério do Interior (20%). A administração local recebeu 25% do total das reclamações apresentadas, a maior parte delas apontando a distorção da toponímia galega ou a exclusão da língua galega em algumas das suas atividades ou serviços oferecidos pelos municípios.

No que diz respeito às empresas, a que mais reclamações foi a Vodafone (12%), sobretudo da campanha promocional Venche a Vodafone, que indignou grande parte da comunidade galega pelo evidente descuido no uso da nossa língua. É seguida de perto pela Naturgy (11%), que ao longo dos últimos anos tem sometido aos consumidores e consumidoras galegas a umha indefensão total na hora da utilização da nossa língua.

A falta de atenção oral e escrita em galego, a sinalização e rotulagem dos estabelecimentos exclusivamente em espanhol e a distorção da toponímia galega nas comunicações escritas e nas páginas web são as principais reclamações dirigidas a todas as empresas e, também, às entidades bancárias. Sendo, neste último caso, particularmente grave nos casos em que os utilizadores são obrigados a dirigir-se às referidas entidades para pagar taxas da administração pública.

Soledad Agra, Deputada de Língua na Deputação da Corunha, lembrou que “é necessário trabalhar pela igualdade de direitos linguísticos e acabar com os preconceitos e atitudes negativas que ainda hoje afectam o uso da nossa língua” e sublinhou a obriga das entidades públicas quando se trata de “garantir que quem o desejar possa desenvolver normalmente a sua vida plena em galego”. Neste sentido, Agra sublinhou que “não deve ser a sociedade civil quem se organiza em defesa dos seus direitos linguísticos”, mas enquanto assim for, o compromisso do seu departamento com a Linha Galega será inabalável e encoraja a cidadania a fazer uso deste serviço.

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, na Guarda

Sergio Rey, do IES de Cacheiras, ganha o “I Prêmio Escolar Internacional de Livros de Cordel”

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha