Partilhar

A cançom galega AI-LALELO é classificada para a final da Eurovisom de músicas escritas por inteligência artificial

  • Apenas 15 das 100 canções candidatas conseguiram passar à final, com propostas de países como a China, o Reino Unido ou a Coreia do Sul.
  • O televoto e júri decidirám em partes iguais o ganhador desta particular ediçom de Eurovisiom que terá lugar em 6 de julho em Liège (Bélgica).
  • AI-LALELO é umha homenagem às mulheres que impulsarom a Galiza e a sua tradiçom, língua e cultura.

Após duas semanas de deliberaçom, o júri profissional do AI Song Contest, a Eurovisom das canções escritas por inteligência artificial, decidiu que a cançom galega AI-LALELO competirá na final do concurso o próximo 6 de julho na Bélgica.

O tema impulsado por umha equipa da Galiza competirá junto com outras 14 canções de países como Países Baixos, China, Tailândia, Reino Unido, Suécia, EUA, Coreia do Sul, França e Alemanha. A agência criativa de Compostela CECUBO Group lidera esta iniciativa, com o jornalista galaico-catalám Joel Cava no comando.

A candidatura galega tinha sido apresentada o passado 1 de junho, igual que as mais de 100 propostas de todo o mundo, numha meia-final interna. Após esta primeira fase, o júri de especialistas em inteligência artificial escolheu as 15 canções que se enfrentarám na final do AI Song Contest. Os especialistas emitírom um veredicto onde destacárom que as canções finalistas “brilham pola sua diversidade geográfica, cultural e algorítmica”.

A cidadania votou 

Até ao passado 30 de junho, o público votou gratuitamente na sua cançom favorita através da página oficial do festival. A ganhadora decide-se pola soma dos pontos de 50% do televoto e de 50% do júri e anunciará-se na gala de 6 de julho.

A ganhadora decide-se pola soma dos pontos de 50% do televoto e de 50% do júri e anunciará-se na gala de 6 de julho.

A equipa, sob o nome de PAMP! (Projeto Ana Maria Prieto, em homenagem à primeira programadora galega), é composta por um grupo multidisciplinar de seis artistas, engenheiros, investigadores e músicos galegos. O seu objetivo é promoverem a língua e cultura da Galiza no âmbito internacional através das novas tecnologias. 

“Chegarmos à final supom um sucesso para toda a Galiza já que permite mostrarmos a nossa cultura ao mundo e reivindicarmos o talento galego no âmbito da inteligência artificial”, exalta a equipa PAMP! quem pede à cidadania que vote maciçamente na cançom, para a Galiza conseguir umha candidatura ganhadora nesta particular ediçom de Eurovisom.  

Num processo criativo de 4 meses, a equipa galega compujo AI-LALELO a partir da inteligência artificial aplicada à composiçom da letra, harmonias, instrumentos e videoclip da cançom, cujo êxito é garantido polas mais de 9.000 reproduções acumuladas nas distintas plataformas de streaming. A iniciativa é um projeto de ponta no uso da inteligência artificial, posicionando o talento galego como referente neste ramo. A agência de Compostela CECUBO Group, impulsora do projeto, é líder na aplicaçom de inteligência artificial na comunicaçom. 

Com o resultado final, o grupo de trabalho concluiu que a disponibilidade dumha ferramenta treinada em IA poderia significar um valor cultural seguro para a música tradicional galega. Também fôrom descobertos, com a obtençom de linhas melódicas mui próximas ao estilo trovadoresco, fortes vínculos históricos entre a música de raiz conservada nas aldeias e o corpus musical altomedieval galego-português.

PAMP! é formado por profissionais como Juan Alonso, tecnologista em machine learning e redes neuronais; a ferrolã Sofía Oriana, especialista em Composiçom em IA e compositora de Elisa y Marcela (2019) de Isabel Coixet; Xandre Outeiro, produtor ourensám de bandas sonoras e músico no Projeto Trépia; o viguês David Santos, doutor em Telecomunicações e músico, arranjador e compositor; Marta Verde, artista digital pontevedresa responsável pelos visuais das Tanxugueiras no Benidorm Fest e professora associada no Berklee College of Music de Valência; e Joel Cava, responsável criativo de Cecubo Group. 

Caso a candidatura ganhasse com AI-LALELO a terceira ediçom deste certame, sumaria-se ao histórico de vencedoras dos anteriores anos junto de Beautiful the World da Austrália (2020) e Listen To Your Body Choir dos EUA (2021). 

Processo criativo

O processo para comporem a cançom durou quatro meses, começou por conseguirem que o modelo GPT-3 aprendesse a falar galego e a compor copla, a partir dum acervo de 400 cantigas do arquivo digital Volai-vai. A respeito da letra, a própria máquina gerou os primeiros versos, com uma temática como fio argumental: a costureira nas distintas estações do ano. Neste aspecto só foi necessário corrigir algum erro ortográfico e adaptar alguma frase. 

A melodia é feita a partir da copla popular A Costureira e com ela o próprio computador gerou diferentes linhas melódicas com Google Magenta. Quanto à música, forom gravados instrumentos e alfaias que forom processados polo sistema DDSP, conseguindo umha sanfona, pandeireta, bombo, enxada, prato, frigideira e lata de maneira artificial.

Na fase final fôrom acrescentadas as vozes, um baixo e umha harpa de boca ao natural, além de realizar-se processamento de áudio com algoritmos. Por último, elaborou-se o videoclip da cançom com inteligência artificial, reinterpretando umha seleçom de cenas típicas galegas. 

Com o resultado final, o grupo de trabalho concluiu que a disponibilidade dumha ferramenta treinada em IA poderia significar um valor cultural seguro para a música tradicional galega. Também fôrom descobertos, com a obtençom de linhas melódicas mui próximas ao estilo trovadoresco, fortes vínculos históricos entre a música de raiz conservada nas aldeias e o corpus musical altomedieval galego-português.

Sobre Cecubo Group

Cecubo Group é umha consultora especializada em business intelligence aplicada à comunicaçom e marketing. Com base em Santiago de Compostela, Madrid e Lisboa, desde o ano 2011 tem desenvolvido projetos em Espanha, Portugal, México e Panamá. Entre os seus serviços está o do desenvolvimento de estratégias para empresas e instituições, a gestom integral da comunicaçom e o design e implementaçom de sistemas de métricas para departamentos de comunicaçom.

Sobre o AI Song Contest 2022

O AI Song Contest nasceu em 2020 impulsionado pola rádio e televisión pública neerlandesa VPRO, com a supervisom da Uniom Europeia de Radiodifusom, o organismo encarregado do Festival de Eurovisom. Depois de dous anos em andamento, a Galiza debuta nesta terceira ediçom do certame, organizado pola comunidade científica à margem do grande ecrám. 

Só 15 candidaturas conseguírom classificar-se para a gala final que terá lugar o próximo 6 de julho na Wallifornia Music & Innovation Summit de Liège (Bélgica), a feira da música escrita por inteligência artificial por excelência. Um conjunto de especialistas em IA e o televoto decidirám o ganhador. Austrália venceu o concurso inaugural com Beautiful The World, ode eurovisiva dedicada à fauna e flora autóctones depois de sofrer o continente oceânico em 2019 os piores incêndios, enquanto os EUA triunfou o ano passado com Listen To Your Body Choir.

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’

Novidades Através: 50 anos de Abril na Galiza

Lançamento do livro González-Millán, a projeção de um pensamento crítico, em Braga

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’