Partilhar

4.ª edição do Prémio Literário UCCLA

 

4.ª edição do Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa – Até 31 de Janeiro de 2019

Prémio Literário UCCLA

As candidaturas à 4.ª edição do Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa estão a decorrer até ao dia 31 de janeiro de 2019.
O Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa tem como objetivo estimular a produção de obras literárias, nos domínios da prosa de ficção (romance, novela e conto) e da poesia, em língua portuguesa, por novos talentos escritores.
Trata-se de uma iniciativa conjunta da UCCLA, Editora A Bela e o Monstro e Movimento 2014, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.
A participação na presente edição deverá ser feita até às 24h00 do dia 31/01/2019, por correio eletrónico, para o endereço premiouccla.quartaedicao@gmail.com
Constituição do Júri:
António Carlos Secchin, Brasil
Germano de Almeida, Cabo Verde
Inocência Mata, São Tomé e Príncipe
Isabel Pires de Lima, Portugal
José Luís Mendonça, Angola
José Pires Laranjeira, Portugal
Fátima Fernandes, curadora da Biblioteca Nacional de Cabo Verde
Rui Lourido, representante da UCCLA
João Pinto de Sousa, representante da Editora A Bela e o Monstro

Visite Fale Português

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’

Novidades Através: 50 anos de Abril na Galiza

Lançamento do livro González-Millán, a projeção de um pensamento crítico, em Braga

A Mesa tramitou mais de um milhar de expedientes em 2023

Areias de Portonovo, uma jornada atlântica da Galiza ao Brasil

A USC comemora os 50 anos da revolução de 25 de Abril que deu início à democracia contemporânea em Portugal

Sónia Engroba: ‘Não somos conscientes nem conhecedores do poder da nossa própria língua’