Partilhar

Valentim Fagim ministra o ateliê Estratégias alternativas para o galego na Corunha

O próximo sábado, dia 20 de abril, às 12h, no Centro Social Gomes Gaioso (Rua Marconi, nº 9). O professor de português oferecerá um ateliê intensivo de 70 minutos, baseado no livro O galego (im)possível (Através Editora).

O galego (im)possível analisa os principais argumentos e sobretudo lugares comuns que justificam o galego autonómico oferecendo outra forma de ver e viver a língua da Galiza. 

A língua da Galiza sofre um processo avançado de substituição linguística e formal em favor do castelhano. Entre aquelas pessoas e coletivos que desejam parar e reverter este processo há duas estratégias. O autor deste livro promove uma delas, que assenta numa língua compartilhada com outras sociedades, entre outras, a brasileira, a portuguesa e a angolana. Com esta perspetiva o autor analisa a outra estratégia, uma língua isolada dessas mesmas sociedades e ligada necessariamente ao mundo em castelhano, portanto à língua que a está a substituir.

O galego (im)possível nasceu com o objetivo de desnudar o argumentário que se tece em volta da estratégia dominante para o galego, aquela que vê e vive a nossa língua como desligada das sociedades de expressão portuguesa. Ao mesmo tempo, quer oferecer o seu reverso, mostrando outra forma de ver e viver a língua da Galiza, em nossa opinião, mais nutritiva individualmente, mais poderosa socialmente e mais útil para frear o seu avançado estado de substituição e de hibridação em relação com a língua estatal do Reino de Espanha.

A segunda edição do livro, a sequência Ainda Mais alude a dous factos. O primeiro é que houve uma reescrita do texto, sobretudo nalguns capítulos que ficaram alterados quase na íntegra, sempre com o guia de comunicar melhor e tornar mais acessível o texto. O segundo alude a que desde a data da 1ª edição, em 2001, é ainda mais palpável que existe um galego possível e um outro impossível.

Valentim Fagim (Vigo, 1971), licenciado em Filologia Galego-Portuguesa, é professor de português na Escola Oficial de Idiomas desde 2001 e corresponsável de cursos on-line de português LE para o corpo docente da Galiza. Autor de vários livros, entre eles “Do Ñ para o NH, O galego (im)possível” e, em parceria, o “Dicionário Visual Através” e “O Galego é uma oportunidade”. No seio da área de formação da AGAL, participou, e participa, na criação e desenvolvimento do site “A Nossa Galáxia”, dos cursos on-line “Falarmos”, do ateliê para o ensino secundário “Ops, o português simples” e dos cursos “aPorto”, na cidade invicta.

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, na Guarda

Sergio Rey, do IES de Cacheiras, ganha o “I Prêmio Escolar Internacional de Livros de Cordel”

Industrializar Galiza. Vaia uma ironia!

Aberta convocatória da XXIV Ediçom do Prémio de poesia Fiz Vergara, que nom discrimina por normativa

Disponibilizamos contributos de Luísa Villalta na Revista Agália

Séchu Sende apresenta O Povo Improvisador no CS Gomes Gaioso da Corunha