Partilhar

Simón Rodríguez, venezuelano: “Falar em galego faz-me recuperar as minhas raízes”

Simón Rodríguez é gestor cultural. Tem 27 anos, natural de Venezuela, leva em Lugo dous anos e meio. Leva a estudar galego dous anos. “Nasci em outro sítio mas agora vivo aqui e sinto-me galego“, indica, e falar galego fai-o sentir “mais galego”. Também lhe presta por causa dos seus avós paternos, “para que me encontre com as minhas raízes“, acrescenta.

“O galego é umha língua minoritária, perseguida e está em umha desvantagem surpreendente com respeito ao castelhano. Se nom fazemos e criamos em galego, a língua acabará morrendo”, diz. Por isso aposta por defende-la porque “forma parte da identidade cultural”, conclui.

Esta entrevista foi publicada originariamente em neofalantes.gal]

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”