Partilhar

Ramón Mariño publica ensaio sobre a autoediçom de fanzines na Galiza

A editora Laiovento publica Fanzines en Galiza, unha breve e intensa história da autoedición galega.

O jornalista Ramón Mariño Fernández é o responsável deste ensaio breve, de 100 páginas, que trata este formato de publicaçom, o fanzine, ligado à autogestom.

Num recuncho esquecido da Galiza, entre as sombras dos séculos, agacha-se um universo de criatividade e rebeldia que apenas começamos a desentranhar.

Os fanzines, calados companheiros de almas injustiçadas, ergueram as suas vozes na década prodigiosa de 90 e nas alboradas do século XXI. Nestas páginas, palpita o pulso da juventude farta dum mundo cinsento e injusto, onde a cultura é represa e a liberdade é grito mudo no vento.

Este livro é mais que unha crónica. É um chamado ao acordar, um convite a empreender viagens similares ou a erguer castelos de palavras ainda mais altos. Queremos iluminar os recunchos escuros, desvelar os segredos guardados e fazer que os corações latejem ao ritmo de histórias jamais contadas.

O fanzine galego é o facho ardente na noite escura, a chama que alumeia o caminho da criatividade sem amarras. Que estas páginas sejam o primeiro passo para os curiosos e os sonhadores, umha porta entreaberta a um universo vasto, onde cada página agacha surpresas infinitas e onde a “intrahistória” aguarda, agachada entre linhas e imagens, para ser desvelada. Que esta olhada ao passado se conviria no ímpeto para escrever o futuro.

Ramón Mariño Fernández (Jove, 1972) é jornalista, investigador, doutorado em Ciências Políticas e tem escrito relatos de ciência-fiçom. Antes de aceder aos estudos universitários passou polo abandono escolar, por ser aprendiz de carpinteiro, brigadista contra-incêndios, limpador, montador de caixas para o peixe e empregado de umha empresa metalúrgica. Depois foi bolseiro em vários meios, trabalhou num gabinete de imprensa e agora é redator freelance.

O livro pode ser comprado aqui, e pode começar a ser ler em aberto:

fanzines

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”