Partilhar

Português no Bacharelato….amor à primeira vista

Docentes de Português da Galiza (DPG) lança novo vídeo a promover inscrições em Bacharelato. Dirigido aos alunos e alunas, o vídeo contou com apoio económico à edição do governo galego.

Neste caso, o foco põe-se nos discentes que vão escolher matérias em Bacharelato, entre as quais pode e deve estar o português, quer como primeira quer como segunda língua, ou mesmo, se ainda não fosse possível a oferta no centro, também explora a opção à distância através do IES S. Clemente.

No vídeo promocional, destaca-se a vantagem da 2ª língua estrangeira para as ABAU e a facilidade da matéria para se expressar numa língua tão “próxima e semelhante à nossa” e que, além disso, abre portas em tantos países.

No vídeo promocional, destaca-se a vantagem da 2ª língua estrangeira para as ABAU e a facilidade da matéria para se expressar numa língua tão “próxima e semelhante à nossa” e que, além disso, abre portas em tantos países.

Vantagens? Todas, mas como diz o vídeo ainda há mais…. para quem se decidir pelas ciências sociais, as humanidades ou artes seria “uma loucura não aproveitar esta oportunidade! “

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”