Partilhar

NOVIDADES ATRAVÉS: Do ódio à paródia, O estereotipo antigalego na literatura espanhola do século XVII

Sai do prelo o último ensaio da Através, um trabalho do investigador e professor da Universidade da Corunha, Alexandre Peres Vigo, intitulado Do ódio à paródia, O estereotipo antigalego na literatura espanhola do século XVII.

Se a finais da Idade Media a própria Galiza, a sua povoação e ainda a sua língua encarnavam no ideário castelhano a imagem demonizada duma terra incógnita, bárbara e politicamente adversa, desde meados do século XVI os movimentos migratórios, desde a Galiza até às povoações da meseta castelhana, acabariam por mudar essa perceção coletiva. As condições precárias de boa parte da diáspora galega em Castela, assim como a crescente xenofobia resultante da tensão intergrupal, acabaram intensificando a marginalidade da imagem da Galiza no século XVII.

As condições precárias de boa parte da diáspora galega em Castela, assim como a crescente xenofobia resultante da tensão intergrupal, acabaram intensificando a marginalidade da imagem da Galiza no século XVII.

Após este novo contexto, boa parte dos atributos negativos herdados de séculos anteriores radicalizaram-se enquanto outros novos abriam caminho: os galegos e as galegas deixaram de ser vistos como rebeldes para se tornarem um paradigma de lacaios, estalajadeiras e aguadeiros do imaginário castelhano. Seguidamente a demonização deviria na ridicularização e, portanto, o ódio em paródia.


Alexandre Peres Vigo. Licenciado em Humanidades e doutor pela Universidade da Corunha com a tese O estereotipo antigalego na literatura española moderna: xénese, desenvolvemento e consolidación. É autor de numerosas publicações académicas e jornalísticas focadas no estereotipo antigalego, na sociolinguística galega, bem como em diferentes aspetos historicoculturais relativos ao reino da Galiza. Exerceu como docente no ensino secundário e bacharelato durante mais de dez anos. Atualmente é professor da Área de Filologias Galega e Portuguesa da Universidade da Corunha e é membro do Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega (ILLA) da mesma universidade.


Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Diego Garcia apresenta o seu primeiro conto no Concelho de A Mezquita o próximo 5 de agosto

Antônio Torres: “Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que espontaneamente se apresentaram para participar da Leitura Continuada, como o presidente da Academia Carioca de Letras, Sérgio Fonta, a escritora Lilian Fontes, a atriz Beth Goulart”

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, no Festigal, o 25J em Compostela

Scarpaccia de cabacinha

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Diego Garcia apresenta o seu primeiro conto no Concelho de A Mezquita o próximo 5 de agosto

Antônio Torres: “Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que espontaneamente se apresentaram para participar da Leitura Continuada, como o presidente da Academia Carioca de Letras, Sérgio Fonta, a escritora Lilian Fontes, a atriz Beth Goulart”