Partilhar

Escolas de Ensino Galego Semente lançam primeiro acampamento nacional para crianças e adolescentes

A iniciativa “Ultreia” de lazer em língua galega, orientada à rapazada de nove a quinze anos, decorrerá na escola Semente Trasancos -Neda- desde o dia um ao sete de julho.

A Semente é um projeto educativo integral de tal modo que, além das escolas de infantil e primário que já estám a andar polo País, é objetivo essencial oferecer alternativas para os períodos nom letivos: atividades extraescolares e propostas para os tempos livres ao serviço da comunidade educativa galega. A Semente, com os seus valores de criança respeitosa associados à defesa da língua, da terra e da justiça social, trabalha agora para dar continuidade à sua maneira de entender a educaçom abrindo horizontes: fora do calendário escolar, além das idades de escolarizaçom que abrange e fora dos recintos dos seus edifícios.

É assi que anunciam o nascimento dum novo vector de atividades que se incluem dentro da denominada «pedagogia dos tempos livres». Com a intençom de dotar de especial entidade este novo empreendimento, foi baptizado como “Ultreia”. Neste sentido, ao igual que o nome do projeto educativo “Escolas de Ensino Galego”, esta designaçom fala-nos do florescer do Galeguismo dos anos 30 do século passado.

A organizaçom juvenil nacionalista Ultreia foi um nutrido coletivo da mocidade galega que tem o seu nascimento na vila de Noia em 1932. Foi naquele momento especialmente fértil onde, por iniciativa do Álvaro das Casas, medra entre a juventude galega umha experiência maciça de pedagogia social que chega a ter em poucos anos mais de 3.000 filiados. Todos os promotores estavam formalmente ligados ao Partido Galeguista.

A organizaçom juvenil nacionalista Ultreia foi um nutrido coletivo da mocidade galega que tem o seu nascimento na vila de Noia em 1932. Foi naquele momento especialmente fértil onde, por iniciativa do Álvaro das Casas, medra entre a juventude galega umha experiência maciça de pedagogia social que chega a ter em poucos anos mais de 3.000 filiados. Todos os promotores estavam formalmente ligados ao Partido Galeguista.

A estratégia arremeda o nacionalismo vasco e catalám (Palestra) e fai parte dum fenómeno europeu onde convergiam diversas ideologias seduzidas pola eclosom do romantismo. Nos Ultreia a esquerda e a direita partilhavam espaços (ao igual que nos princípios do Partido Galeguista), mas a liderança de Álvaro das Casas, personagem poliédrico, contraditório e misterioso, foi incontornável.

Manuel Rei Lado escreveu em 1934 no jornal um texto ilustrativo daquela pluralidade: “O Granell está fala que te fala dándo un mitin, apropósito dos ultreyas. Dí que si todos os mozos galegos estivesen na nosa organización Galiza sería outro pobo, unha verdadeira nación como debe ser. O Granell é comunista, pero en moitas cousas ten razón. Eiquí temos de todo: rapaces das dereitas e das izquierdas, xentes de familias ricas e pobres, pero nos levamos tan ben,querémonos tanto, que entre nós non hai disgusto se todos somos como verdadeiros irmáns”.

A música foi central. A poesia galega musicada e os cantos populares eram constantes. Editárom vários cancioneiros e este carácter melodioso chegou a ser senha de identidade. O hino da organizaçom foi o «Deus Fratesque Gallaecia» de Alfredo Branhas. Durante o percurso da organizaçom as atividades fôrom abundantes: roteiros guiados por Parga Pondal, visitas a laboratórios, aulas impartidas por Castelao, ediçom de cancioneiros, palestras de Casto Sampedro, excursons por terra e mar, obradoiros com Rafael Dieste, conversas de arte com Granell ou Dias Valinho, conferências com Outeiro Pedralho, escavaçons arqueológicas, “jeiras docentes” em colaboraçom com o Seminário de Estudos Galegos, representaçons teatrais, organizaçom de bibliotecas e museus… umha interminável listagem de eventos inundam a história das Ultreia.

Alguns dos seus integrantes chegárom a ser fusilados, outros fôrom figuras proeminentes do franquismo. As Escolas de Ensino Galego querem, com este baptismo, fazer mais umha homenagem a umha entidade histórica do nacionalismo galego.

O prazo de inscriçom está aberto através dum formulário na web www.semente.gal.

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Diego Garcia apresenta o seu primeiro conto no Concelho de A Mezquita o próximo 5 de agosto

Antônio Torres: “Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que espontaneamente se apresentaram para participar da Leitura Continuada, como o presidente da Academia Carioca de Letras, Sérgio Fonta, a escritora Lilian Fontes, a atriz Beth Goulart”

Lançamento do livro 50 anos de Abril na Galiza, no Festigal, o 25J em Compostela

Scarpaccia de cabacinha

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Diego Garcia apresenta o seu primeiro conto no Concelho de A Mezquita o próximo 5 de agosto

Antônio Torres: “Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que espontaneamente se apresentaram para participar da Leitura Continuada, como o presidente da Academia Carioca de Letras, Sérgio Fonta, a escritora Lilian Fontes, a atriz Beth Goulart”