Cláudia Pascoal: “Nunca pensei que a minha música chegasse tão longe da minha casa”



Cláudia Pascoal (Gondomar, 1994), é uma cantora portuguesa, autora de temas como “Ter E Não Ter” e “Quase Dança”, com os quais chegou a plataformas tão universais como Eurovisão, festival em que no ano 2018 representou Portugal com o tema “O Jardim”.

Cláudia Pascoal

Cláudia Pascoal

O programa radiofónico Grandes Vozes do Nosso Mundo teve como convidada recentemente uma das artistas portuguesas mais prometedoras do momento: a cantora Cláudia Pascoal, que passou pela Galiza e foi uma das protagonistas do festival cultural aRi[t]mar, celebrado no Auditório da Galiza em Santiago de Compostela.
Digo que foi uma das protagonistas, porque voltou ao seu Gondomar de origem com o prémio a melhor canção portuguesa sob o braço. Além de contar com uma transição de estilos que chega até ao folclore, a premiada “Quase dança” conta também com um videoclipe cheio de criatividade, gravado em Arco de Baúlhe (Braga),  o que para a cantora é um jeito de “mostrar ao mundo quem é que eu sou”.

A Cláudia chegou, recolheu o prémio e cantou. Partilhou cenário com a Guadi Galego. Mas, para ela, esta viagem tinha começado vários meses atrás quando recebera a notícia de que uma comunidade educativa decidira candidatar esta produção para o certame aRi[t]mar: “eu não acreditava; nunca pensara que a minha música chegasse tão longe de casa”. A surpresa foi em aumento quando teve a notícia de que o prémio era seu. Nestas circunstâncias, chegou a gala em que acabou por ficar como protagonista.

Segundo as suas próprias palavras, aquela que fora representante de Portugal na Eurovisão em 2018 passou uma noite muito linda, abrindo o seu horizonte musical e conhecendo um bocadinho mais da cena musical e artística da Galiza.  “Senti-me em casa, senti-me mesmo no Porto. Estava ali com os meus, foi mágico” -afirmou no programa do Marco Pereira, emitido agora para todos os países de raiz galega através da Rádio Pessoas.

Segundo as suas próprias palavras, aquela que fora representante de Portugal na Eurovisão em 2018 passou uma noite muito linda, abrindo o seu horizonte musical e conhecendo um bocadinho mais da cena musical e artística da Galiza.

Para além de participar nesta celebração da cultura luso-galega, a artista gondomarense também aproveitou a passagem pela capital da Galiza para visitar lugares emblemáticos como a praça do Obradoiro ou a da Quintana e voltou para Portugal com interesse em conhecer novos pontos da geografia galega, nomeadamente o Gondomar galego, tão próximo do Minho. Neste sentido, ficou no ar a proposta de organizar um concerto de irmandade entre os dois Gondomar(es). Nós estaremos à expectativa para podermos gozar com o que seria, sem dúvida, um espetáculo mesmo tão mágico como o vivido na tarde de 27 de outubro em Compostela.

Susana Basanta

PUBLICIDADE