Partilhar

Apresentaçom do poemário “Diários de coresma e quarentena” em Celanova

O próximo sábado, dia 2 de dezembro, às 12:00h na Casa dos Poetas de Celanova, da Fundação Curros Enriquez (Rúa Manuel Curros Enríquez, 37) apresenta-se o livro de Naire Eanes, editado por Saurobuks.

No evento intervirám Xoán Carlois Domínguez Alberte e Alfonso Rodríguez, da editora. Depois haverá recital da própria autora, Naire Eanes, com música de Verónica à zanfona.

Diários de coresma e quarentena é a primeira publicaçom da autora, psicóloga de formaçom e mui vinculada aos movimentos sociais e feminismos na Galiza. O poemário, escrito em galego internacional, conta com limiar de Gilgleide Kika de Andrade Silva, quem escreve comenta:

O livro que você tem nas mãos, querida pessoa leitora, é lindo, igual a pessoa quem o escreveu, uma escritora estreante que dança com as palavras, brinca com a primavera, abraça a vida, e nos dá o privilégio de conhecer este “Diário de coresma e quarentena“.

O livro conta também com imagens, a cor, de Natalia G. Devesa, fotógrafa e irmá da autora.

Este livro deixa as lamentaçons a um lado e exprime um período bizarro, no que Naire situa num marco esperançador carregado de erotismo e nom exento de reivindicaçom e chiscadelas às injustiças, da pandemia, das guerras e das prisões.

Este livro deixa as lamentaçons a um lado e exprime um período bizarro, no que Naire situa num marco esperançador carregado de erotismo e nom exento de reivindicaçom e chiscadelas às injustiças, da pandemia, das guerras e das prisões.

O poemário divide-se em várias partes, a pré-pandemia em março, o feche, em abril, e a desescalada, em maio.

A poesia de Naire é fresca, vagarosa e de palavras escolhidas. Uma crónica lírica dum periodo escuro que permite colocar o foco na sensorialidade, num rio, o Sar, e no amor.

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”