Partilhar

Alba Blanco, 21 anos: “O único galego mal falado é o que não se fala”

Alba Blanco (21 anos) é de Arteijo, estudante da dupla licenciatura em espanhol e inglês em Filologia na Universidade da Corunha. Desde criança falou sempre em castelhano, mas utilizava o galego com a mão dela e decidiu dar o passo porque “se sentia à vontade” ao falar nesta língua.

Lembra que, após a mudança, teve uma acolha positiva, mesmo que houve quem lhe pediu que “fizesse exceções” e falasse com ela em espanhol. “Mas temos que pensar que é a nossa língua, a das nossas avós e avôs e que se não a falamos os mais novos podemos perdê-la”, aponta.

É por isso que destaca que ela é neofalante desde a pandemia por amor à língua e para “preservar esta riqueza linguística que temos”. A respeito das críticas recebidas por falar um mal galego, assegura que “o único galego mal falado é o que não se fala”.

[Esta entrevista foi publicada originariamente em neofalantes.gal]

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”