Partilhar

Alba Blanco, 21 anos: “O único galego mal falado é o que não se fala”

Alba Blanco (21 anos) é de Arteijo, estudante da dupla licenciatura em espanhol e inglês em Filologia na Universidade da Corunha. Desde criança falou sempre em castelhano, mas utilizava o galego com a mão dela e decidiu dar o passo porque “se sentia à vontade” ao falar nesta língua.

Lembra que, após a mudança, teve uma acolha positiva, mesmo que houve quem lhe pediu que “fizesse exceções” e falasse com ela em espanhol. “Mas temos que pensar que é a nossa língua, a das nossas avós e avôs e que se não a falamos os mais novos podemos perdê-la”, aponta.

É por isso que destaca que ela é neofalante desde a pandemia por amor à língua e para “preservar esta riqueza linguística que temos”. A respeito das críticas recebidas por falar um mal galego, assegura que “o único galego mal falado é o que não se fala”.

[Esta entrevista foi publicada originariamente em neofalantes.gal]

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”

O Colexio de Xornalistas anuncia nova edição do Prémio ‘Somos Esenciais’

Inauguração da exposição “Sonhar a Palavra Liberdade” no Camões – Centro Cultural Português em Vigo

Garavanços com espinafres

AGAL e ABL anunciam leitura pública continuada d’A República dos Sonhos em Santiago de Compostela e no Rio de Janeiro

Notas sobre a épica: a propósito d’Os Lusíadas e o feudalismo ibérico

Conversa com Susana Arins na biblioteca Municipal José Saramago, de Compostela, arredor da sua obra “Seique”