AGAL abre debate entre as suas bases sobre a participaçom na manifestaçom de 8 de fevereiro

As sócias e sócios poderám participar no debate, público, até 25 de janeiro



A Associaçom Galega da Língua (AGAL) abriu debate entre as suas bases sobre a participaçom na manifestaçom que a plataforma Queremos Galego convocou para 8 de fevereiro.

Votaçom da AGAL no Loomio

Votaçom da AGAL no Loomio

Embora a AGAL nom fai parte da plataforma, apoiou várias das suas mobilizações, nas quais participou também ativamente. Sempre que a associaçom marcou presença, procurou «fazê-lo de umha maneira positiva», indica o presidente, Miguel Penas. Além disto, a participaçom da AGAL visou «ultrapassar o estado atual da língua na Galiza e a estratégia elaborada nas últimas décadas»; neste ponto, o facto de se dedicar o Dia das Letras de 2015 a Filgueira Valverde, promotor do Decreto Filgueira, «abre umha muito boa oportunidade para isto».

Conforme anunciado na última assembleia geral, a associaçom enceta neste 2015 umha nova etapa no que diz respeito dos debates internos. Desta maneira, a conveniência de a AGAL participar na manifestaçom será a primeira grande decisom submetida ao debate público entre os sócios e sócias da entidade reintegracionista. Para isto, abriu-se um espaço na plataforma Loomio (a inscriçom é gratuita) no qual as bases agálicas devem responder umha única pergunta:

Achas que a AGAL deve participar como coletivo na manifestaçom deste 8F?

O debate e a votaçom estará aberta até o domingo 25 de janeiro (incluído). O debate será aberto e qualquer pessoa poderá ler as opiniões publicadas no fio, mas só aquelas que estejam associadas à AGAL poderám participar e votar.


PUBLICIDADE

  • Xurxo Allegue

    Eu estoi a meditar desde há um tempo fazer-me socio de AGAL, agardarei a que as actuais socias votem para tomar a minha decissão. Eu desde logo vou o 8 de fevereiro em defensa do galego seja qual fôr a norma ortográfica.

    • madeiradeuz

      O que se está a votar é se participar na manifestação como AGAL (com faixa e todo, como em ocasiões anteriores) ou não. Há poderosos argumentos pró e contra.

      Ora, não creio que seja algo de tanta transcendência como para vincular ao resultado a decisão de ser tornar sócio/a da AGAL…

    • Valentim R. Fagim

      Caro Xurxo, o interessante e que esta decisão vai ser coletiva. O resultado é relativamente secundário. Se gostas de associações onde os seus membros podam tomar decisões, para além de pagar quotas, avante.

      • Xurxo Allegue

        Caro Valentim, como podes intuir eu já estoi em mais de uma organização, auto-organizada em Galiza onde tomamos as decissões assembleiaria e democraticamente. Espero que a decissão que tomeis tenha em conta a situação de colonialismo que padecemos e as políticas de extermínio coa nossa língua mas também com o resto de sectores da nossa nação, não há varinhas mágicas como algúm membro de esta associação tem escrito publicamente. Se não fôr assim, eu seguirei apoiando dar passos cara o reintegracionismo mas não na vossa associação, obrigado.

        • madeiradeuz

          Sem ânimo de ser irrespeitoso, soa pouco sério que a decisão de ser sócio/a da AGAL depende de que a maioria de sócios apoiem ou rejeitem que apareça uma faixa da associação numa determinada manifestação. Eu, por exemplo, irei à manifestação do dia 8 de fevereiro por ser um militante na língua, mas votei contra que a AGAL vá lá com faixa própria. E isto, como pessoa que milita numa das organizações que convocam essa manifestação. No entanto, se a maioria decidir que apareça uma faixa da AGAL, trás dela será que eu vá, nem sequer trás da organização (em que também milito) que co-convoca.

  • José Ramom Pichel

    Trata-se de decidir com argumentos entre todos e todas. E isso é o mais importante. Eu pessoalmente irei a toda manifestaçao que haja a favor do idioma. Mas coletivamente penso que há que mudar já a estratégia para o idioma, e isso infelizmente não o vão resolver as manifes, mas tentar outras fórmulas já testadas noutros lugares do mundo e que por enquanto ou nao existem ou estao em fase inicial. http://www.noticiasdenavarra.com/2015/01/13/sociedad/navarra/la-poblacion-bilinge-que-habla-y-entiende-euskera-aumenta-en-todas-las-zonas-de-navarra

    • Moncho de Fidalgo

      Opino o mesmo. Eu de estar na Galiza irei mas os movimentos do BNG no idioma estão já ultrapassados … Muita manifestação mas que me contem que se faz desde os concelho? Nomeadamente naqueles nos que se governa? Que fizeram em Lugo? A Estação de autocarros semelha a de qualquer cidade de Castela!

      • Xurxo Allegue

        Sim a culpa do que passa é da gente que formamos o BNG, obrigado Xesús Alonso Montero.

        • madeiradeuz

          Moncho de Fildalgo falou dos “movimentos do BNG”, não do BNG em si. Acho que somos avondo maduros como para perceber à perfeição a que se refere Moncho. A sua crítica, aliás, é compartilhada por muitas pessoas que militam no Bloco, mas não formam parte das organizações a que ele alude. Por sinal, na AGAL há muitos sócios e sócias do BNG, inclusive pessoas com responsabilidades de direção nessa organização política, como é público e notório.

  • Ernesto V. Souza

    Acho absurdo quitar esta noticia a respeito de uma votacao cujo conteudo esta a ser debatido internamente… ????? Absurdo e contrario a logica da votacao… Se o que se queria e ser guais e escandalizar um pouco… Com sacar isto ca e debate-lo em publico chegava.. A serio… Nao podeis fazer nada discretamente ??? … Eu desde logo passo de volver a participar em parvadas destas…

  • Alonso Vidal

    A mim não me deixa votar e sou sócio de AGAL. O que se passa? Um saúdo.

    • madeiradeuz

      Parece que já está solucionado. Saúde.

  • ranhadoiro

    deve-se ir é com faixa própria e fazer visível a nossa mensagem

  • Adela Figueroa

    Eu opino que deveria de ir AGAL. Eu vou ir.

    • madeiradeuz

      Seria ótimo participares no debate e exprimires a tua opinião lá, para o pessoal ficar sabendo. Acho que o mais valioso desta experiência é conhecermos de primeira mão os argumentos de sócias e sócios, não apenas o sentido do seu voto. http://ir.gl/debateAGALe8F