Partilhar

A Revirada abre convocatória para participar no seu próximo número com a temática “velhice ou barbárie”

O décimo número da revista feminista Revirada tem aberta a convocatória para participar com artigos, entrevistas, vídeos, áudios, desenhos, ilustrações, fotografia, etc, para a sua publicaçom online e/ou em papel.

Para cada número define-se uma proposta de temática principal para cada número, porém também há secções fixas e recebem novas ideias que podem estar fora da área sugerida.

Esta nova convocatória é para a publicaçom do décimo número impresso da publicaçom, sob a legenda “velhice ou barbárie”, que sairá do prelo no número de outono-inverno do 2022. A recepçom de obras estará aberta até o 10 de setembro de 2022, e qualquer informaçom é disponível escrevendo a reviradafeminista@gmail.com.

As editoras, a respeito deste eixo temático perguntam: “Sentem que o feminismo acolhe e se preocupa com temáticas ligadas ao envelhecimento? Quais os novos desafios, questões e interesses que vam sendo notados? Como os padrões cada vez mais altos de beleza interferem na aceitaçom do envelhecimento?”

 

 

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”