Mário J. Herrero Valeiro ganha o Glória de Sant’Anna 2015



Mário Herrero

Mário Herrero

«Não é um prémio individual, é um prémio para todos nós. Para aqueles que abriram caminhos». São as primeiras declarações do galego Mário J. Herrero Valeiro às poucas horas de conhecer que era o ganhador do prémio literário Glória de Sant’Anna 2015, distinção conseguida graças ao poemário Da vida conclusa(O Figurante Edicións). Conforme noticiado no PGL, o outro finalista foi o moçambicano Mbate Pedro, com Debaixo do silêncio que arde (Índico Editores).

O reconhecimento para o autor galego chega, precisamente, na primeira edição do certame aberta à participação da Galiza e outros territórios da Lusofonia, novidade que visa reconhecer «a importância cultural coletiva e as ligações históricas de todo o espaço Lusófono».

Capa de 'Da vida conclusa'

Capa de ‘Da vida conclusa’

Como recebe um autor galego a notícia de um prémio num certame aberto a toda a Lusofonia? «Resistimos. Persistimos. E agora também existimos. Não é um prémio individual, é um prémio para todos nós. Para aqueles que abriram caminhos (por exemplo, o João Guisan, há já muitos anos) e para aqueles que tentam manter os caminhos limpos, na Galiza e fora dela», explica. Mas também é um reconhecimento «para todos aqueles que teimam em escrever contra o silêncio e contra os silenciadores. Para grandes poetas invisíveis como o Pedro Casteleiro. Para aqueles que escreviam poesia na norma internacional da nossa língua há vinte e cinco anos. E publicavam livros. E publicam livros». Todas estas pessoas ainda «resistem, persistem e existem. Porque nós sim somos os que escrevemos livros que não lê ninguém. Que não lê ninguém? Com certeza? É um prémio grupal. Para a nossa pequena sociedade civil», incide.

Por último, o autor explica que a participação no certame foi uma proposta de Alberte Momán, d’O Figurante Edicións, razão pola qual «é também o seu prémio», agradece, ao tempo que alarga o sentido destas palavras também ao júri do II Prémio O Figurante.

O prémio

O Prémio Literário Glória de Sant’Anna foi instituído em 2012 em memória da poeta e prosista Glória de Sant’Anna (Lisboa, 1925 – Válega, Ovar, 2009), que viveu em Moçambique de 1951 a 1974. O galardão tem o valor de três mil euros e é destinado ao autor ou autora do melhor livro de poesia em língua portuguesa.

Em edições anteriores, o prémio foi concedido a dois escritores moçambicanos, Eduardo White, que venceu em 2013 com a obra O Poeta Diarista e os Ascetas Desiluminados, e Gisela Ramos Rosa, que venceu em 2014 com a obra Tradução das Manhãs.


PUBLICIDADE

  • Ernesto V. Souza

    «Não é um prémio individual, é um prémio para todos nós. Para aqueles que abriram caminhos».

    Pois uma forte aperta não individual para o Mário Herrero e o Alberte Momán…

    VIVA!!!

  • http://pgl.gal Valentim R. Fagim

    «Resistimos. Persistimos. E agora também existimos»

  • http://miromoman.wordpress.com/ Miro Moman

    O meu primeiro artigo no velho PGL foi recebido por um “Já somos gente!” do amável Ernesto.

    Daquela não era ainda, mas agora sim: Já somos gente!

    Parabens.

    • Ernesto V. Souza

      Beijos mil, caro, para ti e os teus…

  • Sandrus Magister

    Parabéns. De grão em grão enche a galinha o papo.

  • Mário J. Herrero Valeiro

    Muito obrigado, pessoal!

  • Celso Alvarez Cáccamo

    Pois muitíssimos parabéns e um grande abraço ao Mário, e também parabéns ao Alberte por continuar aí, a arriscar produzir letras.

    • Mário J. Herrero Valeiro

      Eu continuo a esperar as tuas letras arriscadas…

      • Celso Alvarez Cáccamo

        Vale, aí vão algumas: Ӝ Ր ზ Ⴋ !
        (não faço ideia se se lerão noutros idiom-, digoo sistemas operativos)

        • CelticWarrior

          Firefox Developer Edition “renderiza” a fonte corretamente em openSuSe e Ubuntu.

        • Ernesto V. Souza

          I’ll give you my bored poems when you take it from my cold, dead hands… XD XD

    • CelticWarrior

      +1 de abraços a ambos. Bem lembrada essa do Alberte.

  • CelticWarrior

    Parabéns! Venham mais!

  • ranhadoiro

    Que alegria, por ele, e pela Galiza lusófona

  • Susana Arins

    parabéns!

  • Joám Lopes Facal

    Avante a palavra poética transfronteriza. Parabéns ao artífice.