4 Sementes



A página 9 deste Festagal foi dedicada as “4 Sementes”, que desde Vigo (Gabriela e Diana), Compostela (Badu), Ferrol (Rosália) e Lugo (Maria Vila Verde), respondem estas três perguntas:

  1. a) Observando o projeto desde os seus começos, as expetativas ficaram colmatadas?
  2. b) Em que medida a Semente vai ser fator importante na biografia dos miúdos e miúdas que passem por ela?
  3. c) Imagina a Semente em 2025. Que visualizas?

As respostas são diversas segundo as experiências várias, mas todos e todas parecem coincidir em imaginar que “Se continuamos a somar, umha grande árvore com raízes firmes, um projeto de qualidade, um lugar de referência para a língua e a pedagogia”, pode engalanar o nosso quintal proximamente.

Semente Vigo. Gabriela e Diana.

a) Observando o projeto desde os seus começos, as expetativas ficaram colmatadas?

Ainda agora fica trabalho por fazermos. Desde que o projeto começou a andar em Vigo fôrom muitos os avanços, chegamos a muita gente mas há muita outra que nom nos conhece. Nom podemos dizer que atingíssemos umha estabilidade, polo que precisamos de pessoas ativistas que ajudem a puxar do projeto. Leva umha moreia de tempo e esforço e quantas mais formos mais fácil é tudo.

b) Em que medida a Semente vai ser fator importante na biografia dos miúdos e miúdas que passem por ela?

Para nós, a etapa infantil é, sem dúvida, a mais importante das nossas vidas, a que vai determinar a forma de sermos e pensarmos, portanto estar na Semente está a marcar umha diferença que já podemos apreciar. Muitas crianças aprendem a falar connosco e medraram num entorno com uns princípios pedagógicos invejáveis, algo que influirá no seu desenvolvimento integral.

c) Imagina a Semente em 2025. Que visualizas?

Se continuamos a somar, umha grande árvore com raízes firmes, um projeto de qualidade, um lugar de referência para a língua e a pedagogia. Se, polo contrário, continua a falta de implicaçom e de ativismo, um sonho cumprido que ficou esgotado. 

Semente Trasancos. Rosália.

 

a) Observando o projeto desde os seus começos, as expetativas ficaram colmatadas?

As expectativas foram, sob o meu ponto de vista, amplamente colmatadas. O número de matrículas não para de crescer. Começámos com 9 crianças, este ano foram 14 e para o ano serão 19. Que numa comarca como a nossa, que é uma das que menos galego-falantes tem de toda a Galiza, haja famílias interessadas em criar as suas filhas e filhos em galego é um êxito já em si mesmo.

A imersão linguística também está a dar bons resultados por agora. Conseguimos reverter a situação de 4 crianças que falavam a maior parte do tempo em castelhano.

b) Em que medida a Semente vai ser fator importante na biografia dos miúdos e miúdas que passem por ela?

Bom, esta questão é difícil de responder… Teríamos que aguardar uns aninhos e perguntar diretamente as crianças que passaram por Semente que implicou para elas. Eu gosto de imaginar que vão lembrar a sua passagem pelo espaço como algo positivo, onde se sentiram crianças respeitadas e onde o carinho foi manifesto sempre.

Suponho que haverá a quem marque mais e a menos, mas aguardo que deixemos uma pegada especial em muitas delas. Linguisticamente falando, poder ser um fator que ajude a que cresçam sem tantos preconceitos como tivemos muitas de nós e que tenha contribuído a criar galego-falantes permanentes que tão necessários são para o futuro da nossa língua.

c) Imagina a Semente em 2025. Que visualizas?

Não sei se imagino ou idealizo, mas gostaria de ver um projeto consolidado por todo o país, com espaços educativos em cada uma das comarcas e com a colaboração dos organismos públicos detrás para garantir a subsistência do mesmo. Gosto de imaginar também que daquela já teremos superados os medos e as rivalidades por causa da escolha ortográfica e que a situação será de absoluta normalidade…

Na verdade, dada a disposição atual, acho que é uma visão bastante utópica ainda. Mas o tempo dirá…

Semente Compostela. Badu.

a) Observando o projeto desde os seus começos, as expetativas ficaram colmatadas?

A progressom quantitativa foi enorme pois o primeiro ano éramos duas crianças e a dia de hoje somos 48 distribuídas em dous centros e sempre em progressom.

Qualitativamente também som muitos os avanços e trabalho que se leva feito tanto a nível organizativo, de comunicaçom social como de trabalho pedagógico.

Acho que as expetativas estám colmatadas para o momento do processo em que estamos mas os objetivos, já num primeiro momento, eram amplos e ambiciosos polo que há que continuar a trabalhar.

b) Em que medida a Semente vai ser fator importante na biografia dos miúdos e miúdas que passem por ela?

Há aspetos demonstrados e outros que precisam de algo mais de tempo para demonstrar mas apresentam boas perspetivas.

Na questom linguística podemos afirmar que existem mudanças positivas tanto a nível de utilizaçom como de autoestima linguística; e nom só nas crianças como também no ambiente familiar.

Um processo educativo baseado em critérios como a educaçom transformadora, o feminismo, o respeito polo meio ou a laicidade nesta etapa infantil senta as bases para que num futuro este pais floresça como merece.

c) Imagina a Semente em 2025. Que visualizas?

Som oito anos adiante, nom é muito para fazer todo o trabalho que temos entre maos.

Teremos o nosso próprio centro de primário construído e assentado em Compostela e já estaremos pensando em criar o liceu.

Todas as vilas de Galiza terám a sua própria Semente funcionando e a estrutura nacional será um exemplo de organizaçom auto-gerida.

Nas instituiçons estarám começando a se dar conta de que o modelo linguístico atual só nos leva para a extinçom e mesmo poderiam interessar-se polo que andamos a fazer que tam bons resultados dá.

 

Semente Lugo. Maria Vila Verde

a) Observando o projeto desde os seus começos, as expetativas ficaram colmatadas? 

O projeto leva em funcionamento apenas um ano escolar, começamos com três crianças e para o ano próximo seremos mais. Desse ponto de vista, estamos muito satisfeitas com o muito trabalho feito, mas somos conscientes que na nossa comarca ainda nom se sente bem a necessidade da imersom em galego e por isso o progresso vai devagar. Somos conscientes de que o projeto precisa de ser ainda mais conhecido e que assi que vaiamos crescendo mais pessoas vam decidir escolarizar na Semente Lugo, pois temos um espaço e umha educadora imelhoráveis.

b) Em que medida a Semente vai ser fator importante na biografia dos miúdos e miúdas que passem por ela?

Acho cedo demais para responder a esta pergunta com a nossa curta trajetória, mas sabemos que as crianças que sairám da Semente Lugo levarám consigo um empoderamento enorme em relaçom às suas origens e em consequência, ao que serám num futuro. Quem conhece de onde vem saberá por onde ir. As ferramentas que se adquirem na Semente Lugo em relaçom à autoestima linguística e cultural nom serám fáceis de esquecer apesar do trabalho de deconstruçom que fai a escola pública no geral nas cidades galegas.

c) Imagina a Semente em 2025. Que visualizas? 

Imagino umha Semente em cada cidade e vila galegas, e vejo crianças livres de preconceitos negativos em relaçom à sua língua e cultura. Podo imaginar as pessoas que defendemos um ensino público e de qualidade, procurando umha escola semente próxima ao seu lugar de residência, para garantir direitos que a escola estatal nom garante. Podo imaginar umha rede tam ampla de escolinhas polo país que as pessoas pensarám que este projeto social é mais público que o que assi é denominado.

  •  


PUBLICIDADE

  • Heitor Rodal

    Com certeza o melhor projeto em que investir tempo, recursos e dinheiro.

    Parabéns!

    • http://pgl.gal Valentim R. Fagim

      Certeza. Sem transmissão intergeracional, o resto é uma fantasia ou um divertimento.